abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthC4067174-3DD9-4B9E-AD64-284FDAAE6338@1xinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapeline, chart, up, arrow, graphlocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewArtboard 185profilerefreshIconnewssearchsecurityPathStock downStock steadyStock uptagticktooltiptwitteruniversalityweb

Diese Seite ist nicht auf Deutsch verfügbar und wird angezeigt auf Portuguese

Artikel

31 Okt 2020

Autor:
Folha de São Paulo

Brasil: Em entrevista, Ailton Krenak fala sobre o desastre no Rio Doce, que atingiu sua aldeia

“'A vida das famílias foi atropelada há cinco anos', diz Ailton Krenak sobre desastre no rio Doce”, 31 de outubro e 2020

Nenhuma criança nascida nos últimos cinco anos no território Krenak, em Minas Gerais, pôde passar pelo ritual de ser mergulhada nas águas do Watu, por volta do primeiro mês de vida, para garantir imunidade, seguindo a tradição do seu povo. Watu é como os Krenak se referem ao rio Doce, atingido pelo rompimento de uma barragem de rejeitos da Samarco em 2015, com um saldo de 19 mortos.

Para os Krenak, o rio é um ancestral, um avô, em um sentido que vai além da concepção familiar, porque ele é parente de todos, explica o escritor e ativista Ailton Krenak...
Fora da terra indígena, onde se isolou por causa da pandemia do novo coronavírus, pela primeira vez desde março, ele conversou...sobre os danos causados pelo maior desastre ambiental do país ao seu povo...

Zeitleiste