This piece of content is part of a larger story, but that story is not available in your language. We do still recommend you read this content in the context of this story:

Brasil: 43% das novas empresas da "lista suja" do trabalho escravo são do agronegócio, afirma Brasil de Fato

Author: Julia Dolce, Brasil de Fato (Brazil), Published on: 17 April 2018

"43% das novas empresas da "lista suja" do trabalho escravo são do agronegócio", 13 de abril de 2018
As atualizações na "lista suja" do trabalho escravo mostram que o agronegócio continua sendo o setor que mais submete trabalhadores à condição análoga à escravidão no Brasil...[A]créscimo de 37 novos empregadores na lista...16 são donos de fazendas ou madeireiras, um total de 43%...Para o Frei Xavier Plassat, coordenador da Campanha Nacional de Prevenção e Combate ao Trabalho Escravo da Comissão Pastoral da Terra (CPT), a lista reflete a realidade de parte dos trabalhadores camponeses no país. "O agronegócio continua...sendo dominante na lista suja não é nenhuma surpresa, porque ele é dominante na prática do trabalho escravo. Ele representa mais da metade dos casos e dos resgatados. Houve um ano ou outro em que foi diferente, quando houve muitos resgates na confecção, na construção civil, mas isso foi fora do padrão", afirmou...[E]ntre 2003 e 2014, o agronegócio foi campeão absoluto na utilização do trabalho escravo, com praticamente 80% dos trabalhadores libertados do trabalho em lavouras, plantação de cana, desmatamento e pecuária. Só esta última foi responsável por 30% dos casos. Os maiores casos de escravidão contemporânea no agronegócio adicionados à lista suja neste ano são o da Fazenda Agropecuária Sorriso,...Rio Branco (AC), e os das Fazendas Araras e Dois Irmãos,...Presidente Olegário (MG). Da Fazenda Sorriso...foram resgatados, em 2012, 13 trabalhadores...por cerceamento da liberdade de ir e vir...O mesmo número de trabalhadores foram resgatados das fazendas Araras e Dois Irmãos...A maior quantidade de operações de resgate...ocorreram no Pará. É o caso de cinco trabalhadores que eram ameaçados por pistoleiros contratados pelo proprietário da serraria M. A. de Souza Madeireira, em Uruará (PA)... "A região de Uruará, no Pará, e toda essa região próxima a Altamira, é onde mais acontece o desgaste da exploração madeireira, clandestina e ilegal, e associada à grilagem de terra. Essa atividade de desmatamento, além de ser um crime em si, com muita frequência tem também o crime de trabalho escravo em consórcio", destacou...

Read the full post here