Brasil: Adolescente negro é chicoteado e amordaçado por seguranças privados de supermercado Ricoy por susposta tentativa de furto de chocolate; inclui comentários da empresa

Trabalho escravo_Brasil_credit_JPT_http://4.bp.blogspot.com/-3ubYNrd0dGI/T7w0HqJ56SI/AAAAAAAAAOo/6Jb03BXdiFA/s1600/atopec1.png

Uma ex-funcionária terceirizada da rede de supermercados Ricoy presenciou pelo menos dois casos de tortura em lojas diferentes da rede de supermercados Ricoy em 2011. Ela alegou ter ouvido de outros funcionários histórias similares das mesmas sessões de tortura. A prática era frequente e conhecida, mas muito encoberta. Em 2 de setembro de 2019, um vídeo de um adolescente negro sendo despido, humilhado, amordaçado e chicoteado com fios de energia, pois teria sido pego roubando barras de chocolate, tomou conta da Internet. Poucos dias depois, imagens de outros casos foram reveladas: um homem aparece amarrado e com diversas marcas de chicotadas, reação dos seguranças de uma unidade da rede após suposta tentativa de roubo; e um vídeo em que um funcionário do supermercado tortura psicologicamente uma criança. Os seguranças que trabalham nos supermercados Ricoy são terceirizados da empresa KRP Zeladoria Valente e tiveram prisão decretada na 4a feira, 4 de setembro de 2019. A empresa reconheceu o vídeo com o adolescente e afirmou condenar violações de direitos humanos e que os “seguranças não prestam mais serviços para o supermercado".

Get RSS feed of these results

All components of this story

Article
+ Português - Hide

Author: Luisa Fragão, Revista Forum (Brazil)

“Torturas em supermercados Ricoy acontecem há mais de 8 anos, diz ex-funcionária”, 05 de setembro de 2019

Uma ex-funcionária terceirizada da rede de supermercados Ricoy, localizada em São Paulo (SP), contou à Fórum que presenciou pelo menos dois casos de torturas em lojas diferentes da rede em 2011, época em que começou a trabalhar para a empresa. Foram inúmeras as vezes, no entanto, que ela alegou ter ouvido de outros funcionários histórias similares das mesmas sessões de tortura. A prática era frequente e conhecida, mas muito encoberta...[A]...ex-funcionária...conta que diversas vezes ouviu de outras pessoas da equipe para não passar perto das salas do fundo das lojas, para não ir ao estoque ou à sala de material de limpeza. Todas esses conselhos seriam para evitar que ela presenciasse os gritos e pedidos de ajuda que escapavam por conta das agressões....“Os seguranças faziam chacotas, espancavam e ainda ameaçavam. Eu ficava horrorizada, só queria sair daquele lugar. Esses fiscais de loja, na sua grande maioria, eram muito violentos”, completou...[D]e acordo com ela, todos os funcionários das lojas sabiam da prática, inclusive os gerentes. “Tudo era passado via rádio para os gerentes e subgerentes. Quando tinha correria na loja, a gente sabia que tinham pegado alguém”, contou...Diante da repercussão dos primeiros casos de tortura que vieram à tona, a rede Ricoy se manifestou através de nota oficial...O espaço segue aberto para eventual manifestação da empresa sobre os novos casos trazidos pela reportagem...Diante dos graves fatos apresentados nos últimos dias, o Ricoy Supermercados enfatiza:

1- Repudia todos os casos de violência que ocorreram dentro e...arredores...
2 – Todos os casos de agressão, discriminação ou violação dos direitos humanos devem ser punidos com o maior rigor da lei...[O]...Ricoy está coloborando com as investigações...[O]s seguranças, que não trabalham mais em nossos supermercados, já tiveram a prisão decretada pela Justiça.
3 – Se ficar comprovado que qualquer funcionário participou de atos de violência de qualquer natureza, será afastado e demitido...
4 – A acusação de que adota como prática a utilização de métodos obscuros diante de casos de furto dentro de suas lojas é...falsa...
5 – A orientação sempre foi encaminhar para a autoridade policial quem for flagrado furtando...

Read the full post here

Article
+ Português - Hide

Author: Igor Carvalho, Brasil de Fato (Brazil)

“Imagens mostram segundo caso de tortura no supermercado Ricoy, em São Paulo”, 04 de setembro de 2019

Uma unidade do Ricoy Supermercados, na cidade de São Paulo (SP), foi palco de outra bárbara sessão de tortura. Em imagens obtidas com exclusividade pelo Brasil de Fato, um homem aparece amarrado e com diversas marcas de chicotadas. O expediente é o mesmo utilizado pelos seguranças do comércio para martirizar um jovem negro de 17 anos, caso que viralizou...[E]m uma das imagens, os seguranças empilharam produtos que a vítima teria tentado roubar no Ricoy, embalagens de linguiça e frango congelados, chicletes, desodorante e um shampoo. Em outro registro, é possível ver a mesma vítima, com o rosto machucado, encostado em uma estrutura com o logotipo do Ricoy...[O].... Brasil de Fato também recebeu um vídeo em que um funcionário do supermercado tortura psicologicamente uma criança. “Você vai ficar em uma cela cheio de moleques da sua idade, ou mais velho, tem uns lá que gostam de abusar de outro moleque. Olha que legal. Tem uns que vão te dar uma surra bem dada. Olha que legal”, diz o funcionário do comércio ao garoto que supostamente havia tentado praticar roubo...[P]ara o presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana do Estado de São Paulo (Condepe-SP), Dimitri Sales, com a reincidência, o supermercado deve ser responsabilizado e ter seu alvará cassado...[O]...Ricoy contrata os serviços da KRP Zeladoria Valente Patrimonial para o setor de segurança. A empresa tem entre seus sócios Alfredo Geromim Valente, Orlando Geromim Valente e o ex-tenente coronel Claudio Geromim Valente. O último, esteve envolvido na morte de uma jovem de 19 anos em 1995, quando era policial...[N]ossa reportagem não conseguiu contato com KRP Zeladoria Valente Patrimonial, nenhum dos telefones disponíveis da empresa foi atendido...

Read the full post here

Article
+ Português - Hide

Author: Dhiego Maia, Folha de S.Paulo (Brazil)

“Adolescente é despido, amordaçado e chicoteado por furtar chocolate”, 03 de setembro de 2019

De um lado, sacos de cebola. De outro, caixas de melancias, verduras e legumes. E no centro do cubículo: um adolescente negro, amordaçado e nu. Em cárcere privado, a vítima de 17 anos é colocada nessa posição para uma sessão de tortura...[U]m vídeo de 40 segundos mostra as agressões. O adolescente é chicoteado nas costas e se contorce de dor a cada novo golpe recebido...[O]...espancamento ocorreu numa manhã do mês de agosto dentro de uma unidade da rede de supermercados Ricoy, na zona sul da capital paulista...[O]...adolescente foi torturado por dois seguranças nos fundos do supermercado...[E]m nota, o supermercado se disse chocado com o fato e afirmou que os seguranças, funcionários de uma empresa terceirizada, não mais prestam serviço ao supermercado...[O]...adolescente diz que foi chicoteado porque furtou barras de chocolates do estabelecimento...[O]...adolescente foi levado por Santos e mais um segundo segurança do supermercado, conhecido como Neto, para um cômodo usado como depósito de mercadorias...[O]...adolescente diz que permaneceu ali por cerca de 40 minutos e que foi agredido o tempo todo...[“N]ão quis registrar boletim de ocorrência pois temia pela sua vida”, diz a polícia...[O]...delegado Pedro Luis de Sousa...disse ainda que o vazamento do vídeo seria “um recado” para eventuais praticantes de furtos no mercado. “Eles agrediram a vítima simplesmente com finalidade de a torturar, impingindo medo à comunidade. Eles [seguranças] queriam dar um recado de que ali [mercado] ninguém iria mais fazer este tipo de crime”...[A]...rede não informou o dia exato em que a tortura ocorreu ou que medidas adotará para evitar novos casos...

 

Read the full post here