Hide Message

Updating the Resource Centre Digital Platform

The Business & Human Rights Resource Centre is at a critical point in its development. Our digital platform is home to a wealth of information on business and human rights, but hasn’t had a visual refresh for a number of years.

We will soon be updating the site to improve its usability and better serve the thousands of people that use our site to support their work.

Please take an advance peek at our new look, and let us know what you think!

Thank you,
Alex Guy, Digital Officer

Find Out More Hide Message

Brasil: Sônia Guajajara pressiona UE a bloquear acordo com Brasil por mortes de indígenas como o assassinato de Paulo Paulino Guajajara supostamente por madeireiros

Author: Fabio Teixeira, Terra (Brazil), Published on: 7 November 2019

"ENTREVISTA-Sônia Guajajara pressiona UE a bloquear acordo com Brasil por mortes de indígenas", 4 de Novembro de 2019

...A Europa precisa pressionar o Brasil a acabar com os assassinatos de povos indígenas, recusando-se a assinar um grande acordo comercial, disse uma líder comunitária…[em 4 de novembro]..., depois que um jovem integrante da tribo Guajajara foi morto a tiros por madeireiros ilegais. Sônia Guajajara, chefe da Apib, que representa muitos dos 900.000 índios brasileiros, fez um apelo aos parlamentares para recusarem o acordo após o guardião indígena Paulo Paulino ter sido morto e outro ferido em uma emboscada por madeireiros ilegais na sexta-feira. "(Assinar) o acordo seria fechar os olhos para o que está acontecendo no Brasil. Seria a institucionalização do genocídio", disse ela à Thomson Reuters Foundation. Sônia afirmou que o acordo com a UE concederia aos países do Mercosul maior acesso aos mercados da União Europeia, o que poderia resultar em fazendeiros e madeireiros invadindo terras indígenas para impulsionar a produção. "Ele facilita negócios... para empresas que vão querer explorar cada vez mais estas terras indígenas", disse Sônia Guajajara, que foi candidata a vice-presidente da República na chapa do PSOL encabeçada por Guilherme Boulos. "Estamos falando muito aqui com os governos para não assinarem o acordo do jeito que está", afirmou. "Estamos plantando uma sementinha... mostrando o quanto estes territórios são importantes para o bem geral mundial." Líderes indígenas estão viajando por 12 países europeus para denunciar ataques às comunidades nativas do Brasil...

Read the full post here