abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapelocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewprofilerefreshnewssearchsecurityPathtagticktooltiptwitteruniversalityweb

Esta página no está disponsible en español y se muestra enPortuguese

Historia

Brasil: Operadoras/es de telemarketing se arriscam ao contágio pelo COVID-19, conforme reportagem; inclui respostas das empresas

O teleatendimento, incluído entre os serviços essenciais, não parou de funcionar, inclusive para atividades comerciais. Grande parte das/os funcionárias/os não conseguem trabalhar remotamente e se arriscam ao contágio. Conforme reportagem, as incertezas e o medo da demissão as/os obrigam a trabalhar mesmo com sintomas. No estado de São Paulo, setor representa 10% das denúncias sobre violações trabalhistas relacionadas à Covid-19 no Ministério Público do Trabalho. Convidamos as empresas Atento, Liq, NeoBPO, Speedmais e Teleperformance para responder a essas alegações. Apenas a Liq não respondeu.

 

Respuestas de empresas

Liq

No respuesta

Speedmais Ver respuesta
NeoBPO (part of Apax) Ver respuesta
Atento (part of Bain Capital) Ver respuesta
Téléperformance Ver respuesta

Story Timeline