Demanda contra Syngenta (relativa a ataque armado a comunidades rurales en Brasil)

Syngenta logoEn noviembre 2015, una corte determinó que Syngenta era responsable de un ataque armado dirigido a activistas que estaban denunciando experimentos con maíz genéticamente modificado en un área de amortiguamiento del Parque Nacional Iguaçu, Brasil.

 

 

 

Obtenga fuente RSS de estos resultados

Todos los componentes de esta historia

Artículo
+ Português - Ocultar

Autor(a): Assessorias de Comunicação da Terra de Direitos e do MST (Brazil)

“Syngenta condenada: Justiça responsabiliza empresa por morte de sem terra no Paraná-Ataque ocorrido em 2007 resultou no assassinato do trabalhador rural Keno e no ferimento de outros três camponeses. Condenação da Syngenta é bem vista por movimentos sociais, em razão da dificuldade de responsabilizar empresas pelas violações de direitos que cometem.”, 18 de novembro de 2015

Empresa suíça produtora de transgênicos e agrotóxicos, a Syngenta Seeds foi judicialmente responsabilizada pelo assassinato do trabalhador rural Valmir Mota de Oliveira (conhecido como Keno) e pela tentativa de assassinato de Isabel do Nascimento de Souza. Os dois eram integrantes da Via Campesina e do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), e foram vítimas do ataque de milícia privada armada em 2007...A sentença determina que a empresa indenize os familiares de Keno e a vítima Isabel pelos danos morais e materiais que causou. A ação foi ajuizada no ano de 2010, como tentativa de obter respostas do Estado quanto à responsabilidade da Syngenta pelo ataque realizado pela milícia. A decisão é vista com bons olhos por movimentos sociais e organizações de direitos humanos, uma vez que a responsabilização de empresas por violações de direitos humanos é um desafio de ordem global...

Lea todo el artículo aquí

Artículo
+ Português - Ocultar

Autor(a): Brasil de Fato (Brazil)

 “Syngenta é condenada por morte de sem terra no Paraná-Justiça responsabiliza empresa por ação armada contra integrantes da Via Campesina, em 2007, que resultou no assassinato do trabalhador rural Valmir Mota de Oliveira e no ferimento de outros três camponeses.”, 19 de novembro de 2015

A 1a Vara Cível da Comarce de Cascavel (PR) condenou no...dia 27 de outubro a empresa suíça Syngenta Seeds pelo assassinato do trabalhador rural Valmir Mota de Oliveira, e pela tentativa de assassinato de Isabel do Nascimento de Souza...A decisão...determina que a empresa indenize...[seus]...familiares...A ação foi ajuizada em 2010, como tentativa de obter respostas do Estado quanto à responsabilidade da Syngenta pelo ataque realizado por uma milícia armada privada de 40 pistoleiros ao acampamento Terra Livre, em Santa Tereza do Oeste (PR). Na ocasião, cerca de 200 integrantes da Via Campesina e do MST, ocuparam o campo de experimento de transgênicos da transnacional, em protesto a realização de experimentos ilegais...Em nota...: “A Syngenta lamenta o incidente ocorrido em sua antiga estação em Cascavel, mas discorda da sentença pois não pode ser responsabilizada pelos fatos alegados. A empresa segue os mais altos padrões éticos e de segurança e determinou a evacuação imediata de seus funcionários e demais contratados da estação experimental quando da invasão. A Syngenta reforça que não tem qualquer conexão com o confronto que ocorreu muitas horas após a evacuação, portanto irá buscar as medidas legais cabíveis para recorrer da decisão em instâncias judicias superiores e confia na Justiça para reverter essa decisão.”

🚫Lea todo el artículo aquí

Artículo
+ English - Ocultar

Autor(a): Terra de Direitos (Brazil)

A court has found Syngenta Seeds, a Swiss company producing genetically modified food and pesticides, responsible for the murder of rural worker Valmir Mota de Oliveira (known as Keno) and for the attempted murder of Isabel do Nascimento de Souza. Both of them were members of Via Campesina and were victims of an armed militia attack in 2007. The court sentence...rules that the company shall pay compensation to Keno’s family and to Isabel for the moral and material damage it caused. The case was taken to court in 2010, as an attempt to get a response from the State regarding Syngenta being responsible for the attack perpetrated by private armed militia.

Lea todo el artículo aquí