Brasil: Repórter Brasil revela medo, fome, noites ao relento e trabalho escravo de venezuelanos na fronteira norte do país na véspera do aniversário da Lei Áurea

Brasil Willian Rivero resgatado_credit_Joana Moncau_http://reporterbrasil.org.br/wp-content/uploads/2018/05/willian-rivero-editado.jpgRepórter Brasil revela medo, fome, noites ao relento e trabalho escravo de venezuelanos na fronteira norte do país .Na véspera do aniversário da Lei Áurea, flagrantes do Ministério do Trabalho revelam o crescimento da exploração de imigrantes em Roraima.

Obtenga fuente RSS de estos resultados

Todos los componentes de esta historia

Artículo
+ Português - Ocultar

Autor(a): Joana Moncau, Repórter Brasil (Brazil)

“Fome, saudades e trabalho escravo: a travessia dos venezuelanos no norte do Brasil”, 14 de maio de 2018

Na fronteira Brasil - Venezuela, a Repórter Brasil acompanhou a saga de três venezuelanos resgatados da condição análoga à de escravos. Eles trabalhavam em uma obra “até o corpo aguentar” e sem descanso semanal. Não tinham banheiro nem água potável

Lea todo el artículo aquí

Artículo
+ Português - Ocultar

Autor(a): Ana Magalhães, Repórter Brasil (Brazil)

“Medo, fome, noites ao relento e trabalho escravo: a travessia dos venezuelanos na fronteira norte do Brasil-Na véspera do aniversário da Lei Áurea, flagrantes do Ministério do Trabalho revelam o crescimento da exploração de imigrantes em Roraima”, 12 de maio de 2018

...Willian…[Rivero Zapata, que veio da Venezuela]... sabia que, com sua experiência profissional, encontraria algum trabalho. Tem experiência como pedreiro, entende de elétrica e de hidráulica, sabe plantar, cuidar de gado e criar peixes...[D]ormiu na rua, tomou chuva, revirou lixo para se alimentar e dormiu por um tempo em um abrigo lotado e sem banheiro...Em um dos bicos, trabalhou por quinze dias e o empregador nunca lhe pagou. Depois, foi chamado para construir uma casa nos arredores de Boa Vista. Ele e dois amigos venezuelanos, Leonel del Jesus Meneses e José Leonardo Martinez Palma, trabalhavam “até o corpo aguentar”, sem descanso semanal…[D]ormiam a poucos passos da obra, em...barraco improvisado, construído por eles próprios com seis toras de madeira, chão de terra batido e...“teto” de lona. Dormiam em redes, sem água potável e sem banheiro. Ao lado da cama, uma lata servia como fogão. Quando chovia, dormiam úmidos por conta das goteiras...Willian recebia o pagamento prometido, embora apenas parcialmente. O empregador descontava o valor das ferramentas de trabalho. A situação em que viviam e trabalhavam era tão precária que o caso foi considerado como situação análoga à de escravos pelo Ministério do Trabalho…[A]uditores fiscais foram à obra em abril deste ano e constataram condições degradantes. O responsável pela obra teria recebido...R$ 62 mil pela empreitada e subcontratou os três venezuelanos por apenas R$ 11 mil. Não houve nenhum tipo de contrato assinado, o acordo era apenas verbal, e o empreiteiro não ofereceu equipamentos de segurança...Resgatados, os três venezuelanos tiveram a carteira assinada e rescindida, receberam as devidas indenizações trabalhistas, ganharam permanência no Brasil e terão direito a um seguro-desemprego…[M]ais de 70 mil venezuelanos entraram no Brasil apenas por Roraima...[O]utra ação constatou trabalho escravo em situações ainda piores com venezuelanos…[que]...trabalhavam cerca de 10 horas diárias, sem descanso semanal e com salário mensal de R$ 400. Além de ser inferior ao mínimo, os salários não eram pagos ao final do mês…[A]uditores consideram que...estavam submetidos a trabalho forçado. O flagrante foi na fazenda Nova Estrela,...550 cabeças de gado e fica na região da Serra da Lua,...Bonfim...

Lea todo el artículo aquí