Dissimuler ce message

Bonjour! Bienvenue au Centre de Ressources sur les Entreprises et les Droits de l’Homme.

Nous espérons que vous appréciez les outils et ressources que nous mettons à votre disposition gratuitement. Saviez-vous que nous travaillons aussi directement avec des défenseurs des communautés et des défenseurs des droits, en leur fournissant les compétences et les ressources nécessaires pour documenter les violations des droits de l’homme et pour communiquer efficacement avec les entreprises ?

Ceci n’est possible que grâce aux dons généreux de personnes comme vous.

Merci de soutenir notre travail.

Je vous remercie,
Phil Bloomer, Directeur Exécutif

Faire un don maintenant Dissimuler ce message

Brasil: Repórter Brasil revela medo, fome, noites ao relento e trabalho escravo de venezuelanos na fronteira norte do país na véspera do aniversário da Lei Áurea

Brasil Willian Rivero resgatado_credit_Joana Moncau_http://reporterbrasil.org.br/wp-content/uploads/2018/05/willian-rivero-editado.jpgRepórter Brasil revela medo, fome, noites ao relento e trabalho escravo de venezuelanos na fronteira norte do país .Na véspera do aniversário da Lei Áurea, flagrantes do Ministério do Trabalho revelam o crescimento da exploração de imigrantes em Roraima.

Souscrire au flux RSS de cette rubrique

Tous les éléments de cette histoire

Article
+ Português - Cacher

Auteur: Joana Moncau, Repórter Brasil (Brazil)

“Fome, saudades e trabalho escravo: a travessia dos venezuelanos no norte do Brasil”, 14 de maio de 2018

Na fronteira Brasil - Venezuela, a Repórter Brasil acompanhou a saga de três venezuelanos resgatados da condição análoga à de escravos. Eles trabalhavam em uma obra “até o corpo aguentar” e sem descanso semanal. Não tinham banheiro nem água potável

Tout lire

Article
+ Português - Cacher

Auteur: Ana Magalhães, Repórter Brasil (Brazil)

“Medo, fome, noites ao relento e trabalho escravo: a travessia dos venezuelanos na fronteira norte do Brasil-Na véspera do aniversário da Lei Áurea, flagrantes do Ministério do Trabalho revelam o crescimento da exploração de imigrantes em Roraima”, 12 de maio de 2018

...Willian…[Rivero Zapata, que veio da Venezuela]... sabia que, com sua experiência profissional, encontraria algum trabalho. Tem experiência como pedreiro, entende de elétrica e de hidráulica, sabe plantar, cuidar de gado e criar peixes...[D]ormiu na rua, tomou chuva, revirou lixo para se alimentar e dormiu por um tempo em um abrigo lotado e sem banheiro...Em um dos bicos, trabalhou por quinze dias e o empregador nunca lhe pagou. Depois, foi chamado para construir uma casa nos arredores de Boa Vista. Ele e dois amigos venezuelanos, Leonel del Jesus Meneses e José Leonardo Martinez Palma, trabalhavam “até o corpo aguentar”, sem descanso semanal…[D]ormiam a poucos passos da obra, em...barraco improvisado, construído por eles próprios com seis toras de madeira, chão de terra batido e...“teto” de lona. Dormiam em redes, sem água potável e sem banheiro. Ao lado da cama, uma lata servia como fogão. Quando chovia, dormiam úmidos por conta das goteiras...Willian recebia o pagamento prometido, embora apenas parcialmente. O empregador descontava o valor das ferramentas de trabalho. A situação em que viviam e trabalhavam era tão precária que o caso foi considerado como situação análoga à de escravos pelo Ministério do Trabalho…[A]uditores fiscais foram à obra em abril deste ano e constataram condições degradantes. O responsável pela obra teria recebido...R$ 62 mil pela empreitada e subcontratou os três venezuelanos por apenas R$ 11 mil. Não houve nenhum tipo de contrato assinado, o acordo era apenas verbal, e o empreiteiro não ofereceu equipamentos de segurança...Resgatados, os três venezuelanos tiveram a carteira assinada e rescindida, receberam as devidas indenizações trabalhistas, ganharam permanência no Brasil e terão direito a um seguro-desemprego…[M]ais de 70 mil venezuelanos entraram no Brasil apenas por Roraima...[O]utra ação constatou trabalho escravo em situações ainda piores com venezuelanos…[que]...trabalhavam cerca de 10 horas diárias, sem descanso semanal e com salário mensal de R$ 400. Além de ser inferior ao mínimo, os salários não eram pagos ao final do mês…[A]uditores consideram que...estavam submetidos a trabalho forçado. O flagrante foi na fazenda Nova Estrela,...550 cabeças de gado e fica na região da Serra da Lua,...Bonfim...

Tout lire