Dissimuler ce message

Bonjour! Bienvenue au Centre de Ressources sur les Entreprises et les Droits de l’Homme.

Nous espérons que vous appréciez les outils et ressources que nous mettons à votre disposition gratuitement. Saviez-vous que nous travaillons aussi directement avec des défenseurs des communautés et des défenseurs des droits, en leur fournissant les compétences et les ressources nécessaires pour documenter les violations des droits de l’homme et pour communiquer efficacement avec les entreprises ?

Ceci n’est possible que grâce aux dons généreux de personnes comme vous.

Merci de soutenir notre travail.

Je vous remercie,
Phil Bloomer, Directeur Exécutif

Faire un don maintenant Dissimuler ce message

Brasil: Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas faz apelo ao governo brasileiro diante da marginalização de minorias e populações carentes após programa de austeridade

Raoni_Libório_UnicefNo início do mês de agosto de 2018, sete especialistas do Conselho de Direitos Humanos da ONU (UNHRC) em Genebra divulgaram apelo ao Brasil para que o país reveja as medidas do seu programa de austeridade econômica e “coloque os Direitos Humanos de seu povo em primeiro lugar”. Segundo o Conselho, os cortes prejudicam diretamente as minorias, com ênfase em mulheres, crianças e afrodescendentes, além de impactarem de forma expressiva populações carentes. O Brasil, que já foi referência no combate à fome e à pobreza, agora depara-se com dados alarmantes. Entre eles, um dos mais preocupantes é o primeiro aumento na taxa de mortalidade infantil em 26 anos.

Souscrire au flux RSS de cette rubrique

Tous les éléments de cette histoire

Article
+ Português - Cacher

“O Brasil deve colocar os direitos humanos antes da austeridade, advertem experts das Nações Unidas após aumento da mortalidade infantil”, 3 de agosto de 2018

 

...[U]m grupo de experts em direitos humanos da ONU instou o Brasil a reconsiderar seu programa de austeridade econômica e a colocar os direitos humanos de sua população, que tem sofrido severas consequências, no centro de suas políticas econômicas. “Pessoas vivendo em situação de pobreza e outros grupos marginalizados estão sofrendo desproporcionalmente como resultado de medidas econômicas rigorosas em um país que já foi exemplo de políticas progressistas de redução da pobreza e de promoção da inclusão social”, afirmaram...[“D]ados...revelam aumento das taxas de mortalidade infantil pela primeira vez em 26 anos. Esse aumento...é motivo de muita preocupação, especialmente com as restrições orçamentárias para o sistema público de saúde e outras políticas sociais...[“A]lgumas das decisões de política financeira e fiscal dos últimos anos estão ampliando desigualdades preexistentes, anotaram...[“A]inda que o Governo ressalte algumas medidas adotadas para mitigar os efeitos adversos dessas decisões econômicas...[,]...essas medidas são em grande medida insuficientes....Mulheres e crianças vivendo em situação de pobreza estão entre as pessoas mais afetadas, como é o caso também de afrodescendentes, populações rurais e pessoas residindo em assentamentos informais”, disseram...[S]alientam que medidas de austeridade não devem ser vistas como a primeira ou a única solução para problemas econômicos...[D]everiam apenas ser adotadas depois de uma análise cuidadosa de seus impactos, particularmente na medida em que afetam os indivíduos e grupos mais desassistidos...[“P]erseguir objetivos macroeconômicos e de crescimento não pode se dar em detrimento dos direitos humanos: a economia deve servir à sociedade, não dominá-la”, concluíram...[O]s experts iniciaram diálogo com o Governo para expressar suas preocupações.

 

 

Tout lire