abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapeline, chart, up, arrow, graphlocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewArtboard 185profilerefreshnewssearchsecurityPathStock downStock steadyStock uptagticktooltiptwitteruniversalityweb

O conteúdo está disponível nos seguintes idiomas: English

História

Brasil: Relatório revela que mais de 500 famílias afetadas pelo colapso da represa de Mariana em 2015 permanecem sem moradia; inclui comentários da Vale e da BHP

Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB)

O relatório "Atrasos - Relatório de entrega dos reassentamentos Mariana MG", elaborado pela Comissão de Atingidos e Atingidas pela Barragem de Fundão (CABF), por moradores das comunidades atingidas e pela equipe de Assessoria Técnica, e executado pela Cáritas Brasileira Regional Minas Gerais, apresenta as considerações e as insatisfações da população atingida no que tange ao atraso na conclusão da reparação do direito à moradia para as pessoas atingidas de Mariana pelo rompimento da barragem de rejeitos de minério de Fundão (5 de novembro de 2015) das empresas Samarco, Vale, e BHP. Segundo o relatório, apesar de o prazo determinado pela Justiça para a entrega de habitações às famílias ter se encerrado em 27 de fevereiro, mas mais de 500 famílias ainda seguem sem moradia. Nós convidamos a Vale, a BHP e a Samarco a comentarem o relatório e as duas primeiras responderam. A Samarco não retornou o contato.

Respostas da empresa

Samarco (joint venture BHP Billiton and Vale)

Sem resposta

Story Timeline