abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapelocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewprofilerefreshnewssearchsecurityPathtagticktooltiptwitteruniversalityweb
História

Brasil: Autoridades investigam frigoríficos acusados de venderem carnes adulteradas, inclusive para escolas, com esquema de corrupção; empresas comentam

Autoridades investigam 31 empresas, incluindo grandes frigoríficos, acusadas de estarem envolvidos em esquemas de corrupção e de crimes contra a saúde pública, envolvendo fiscais agropecuários do governo e também os partidos PP e PMDB, do atual presidente do Brasil, Michel Temer. As empresas são acusadas de corrupção para certificação sanitária de carnes com salmonela, podres e vencidas. Empresas como JBS, BRF, Grupo Argus, Frigorífico Rainha da Paz, negam as acusações.  E Central de Carnes Paranaense, A E. H. Constantino, Breyer, Peccin S/A, frigorífico Larissa, Roney Nogueira, Diniz Lourenço comentam o caso.

Para ler esta história em inglês, clique aqui.

Story timeline