abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthC4067174-3DD9-4B9E-AD64-284FDAAE6338@1xinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapeline, chart, up, arrow, graphlocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewArtboard 185profilerefreshIconnewssearchsecurityPathStock downStock steadyStock uptagticktooltiptwitteruniversalityweb
Artigo

4 Jul 2022

Author:
Repórter Brasil

Brasil: Controle de frigoríficos como JBS, Marfrig e Minerva podem ter falhas que comprometem o combate ao desmatamento prometido

Lilo Clareto/Repórter Brasil

“Falhas no controle de frigoríficos colocam em xeque promessas de combate ao desmatamento”, 04 de Julho de 2022

Pressionados por investidores, consumidores e autoridades, os três grandes frigoríficos brasileiros que operam na Amazônia prometem alcançar “desmatamento zero” em sua cadeia produtiva ainda nesta década. A meta é crucial, já que 90% das árvores derrubadas na maior floresta tropical do planeta viram pasto.

No entanto, uma análise feita pela Repórter Brasil das práticas atuais e dos planos divulgados por JBS, Marfrig e Minerva coloca em dúvida se as empresas conseguirão atingir esse objetivo... essas plataformas são baseadas em documentos passíveis de serem fraudados e dependem da entrega voluntária de informações pelos produtores...

A cadeia de fornecimento de gado no Brasil é complexa, com milhares de pecuaristas espalhados por muitas regiões. Os animais podem ser transportados de uma fazenda para outra várias vezes, para engorda, ou...para disfarçar sua conexão com propriedades que foram desmatadas ilegalmente. Os frigoríficos ainda têm dificuldades para garantir que seus fornecedores diretos não estejam envolvidos com problemas socioambientais, mas é nos elos anteriores dessa cadeia, nos fornecedores indiretos, que o problema é ainda maior.

A JBS, líder mundial na produção de proteínas, divulga o plano de alcançar desmatamento ilegal zero em sua cadeia até 2025. Mas, faltando menos de 3 anos para o fim do prazo, a empresa afirmou à Repórter Brasil não saber quantos fornecedores indiretos precisaria monitorar para atingir essa meta...

Também é 2025 o prazo estimado pela Marfrig para banir derrubadas ilegais em todos os níveis de suas operações na Amazônia – já para o Cerrado, a meta se estende até 2030...a Marfrig detalhou que já tem os dados de fornecedores indiretos de 63% do total de fazendas das quais compra diretamente os animais – o restante, portanto, continua sendo um “ponto cego”.

A Minerva, que divulga compromisso de eliminar o desmatamento associado às suas atividades em toda a América do Sul até 2030, utiliza como parâmetro de “desmatamento zero” um critério que exclui, por exemplo, os casos em que o problema tiver ocorrido apenas em uma fazenda fornecedora de seus vendedores diretos.

...Os frigoríficos, entretanto, divulgam mensagens otimistas. A JBS diz que a adesão dos produtores à sua nova plataforma de monitoramento tem sido “positiva e com rápido avanço” e ressalta que “está empenhada em engajar toda a cadeia produtiva a avançar na rastreabilidade”. A Marfrig afirma que vem implementando “as melhores práticas disponíveis no Brasil” e que lança mão também de metodologias e instrumentos próprios para identificação do fornecimento indireto e rastreamento da cadeia. Já a Minerva destaca que, nos últimos 10 anos, “vem adotando iniciativas para uma produção cada vez mais sustentável em toda a cadeia de valor”. Leia a íntegra das manifestações das empresas neste link...