abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapeline, chart, up, arrow, graphlocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewArtboard 185profilerefreshnewssearchsecurityPathStock downStock steadyStock uptagticktooltiptwitteruniversalityweb
Artigo

Brasil: Governo Bolsonaro investe na militarização como política de proteção ambiental; custo é maior do que o orçamento anual do Inst. Brasileiro do Meio Ambiente, Ibama

“Exército vai gastar em um mês de ação na Amazônia o orçamento anual do Ibama para fiscalização. Operação Verde Brasil 2 expõe falta de coordenação com órgãos de fiscalização, ao mesmo tempo em que contrasta com a política “destrutiva” do Governo Bolsonaro com o meio ambiente”, 26 de maio de 2020

Após enfraquecer os órgãos de fiscalização ambiental como Ibama e ICMBio com cortes orçamentários ao longo dos últimos anos, o Governo investe na militarização como política de proteção ambiental. Em um momento no qual os alertas para queimadas e desmatamentos na Amazônia Legal cresceram 63,7% em abril, a resposta de emergência do Governo do presidente Jair Bolsonaro foi a edição de um decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) que prevê o uso das Forças Armadas parta proteger a floresta por um mês. Batizada de Operação Verde Brasil 2...ao custo de 60 milhões de reais, a serem gastos principalmente com logística e movimentação de tropas em áreas isoladas e bases avançadas. Este valor é praticamente o mesmo do orçamento anual do Ibama para ações de controle e fiscalização ambiental em todo o território nacional, que é de 76 milhões, 25% a menos do que em 2019. O sucateamento dos órgãos de fiscalização tem sido uma marca do Governo Bolsonaro, cujas políticas ambientais vem tendo um sentido —e um resultado— contrário ao da preservação...Mas a Verde Brasil 2 leva a um novo patamar o “escanteamento” do Ibama...Mesmo com um grande volume de recursos investidos em um curto espaço de tempo, deixar a coordenação das operações de repressão às queimadas e ao desmatamento nas mãos das Forças Armadas em detrimento dos órgãos de fiscalização especializados traz complicações, e pode comprometer a eficácia. Um exemplo foi a primeira ação do Exército na Amazônia como parte da Verde Brasil 2. Segundo relatório obtido pela Folha de S.Paulo, mais de 90 agentes em dois helicópteros e várias viaturas foram mobilizados para uma operação no Mato Grosso contra madeireiras e serrarias e que terminou, de acordo com o jornal, sem multas, prisões ou apreensões. O Ibama havia sugerido outro alvo na região que, segundo fiscais, contava com fortes evidências de ilegalidades...