abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthC4067174-3DD9-4B9E-AD64-284FDAAE6338@1xinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapeline, chart, up, arrow, graphlocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewArtboard 185profilerefreshIconnewssearchsecurityPathStock downStock steadyStock uptagticktooltiptwitteruniversalityweb
História

7 Jun 2017

Brasil: Massacre de Pau D’Arco é segunda maior chacina no campo em 20 anos; conflito envolve camponeses, Fazenda Santa Lúcia, segurança privada & órgãos públicos; empresa comenta

See all tags

Em 24 de maio de 2017, ocorreu no Pará, a segunda maior chacina do Brasil no campo em 20 anos, segundo Darcy Frigo, Presidente do Conselho Nacional de Direitos Humanos e coordenador da Terra de Direitos.

Foram assassinados 10 trabalhadores e trabalhadora rurais durante operações policiais, na Fazenda Santa Lúcia, ocupada no dia anterior por famílias camponesas que lutam há anos para que a área seja considerada para reforma agrária, segundo a Liga Camponesa. Dos 10 mortos, 7 pertenciam à mesma família. A Liga Camponesa afirma ainda que a Fazenda Santa Lúcia era da família do pecuarista e madeireiro Honorato Babinski e que estava ilegalmente em terras públicas, tendo cometido grilagem de terra. Alegam que: “A Delegacia de Conflitos Agrários (Deca), outras polícias, pistoleiros e seguranças particulares estavam na área para fazer segurança para o latifundiário...E fizeram a chacina para vingar a morte de um suposto pistoleiro que teria morrido na região. A Deca foi a Pau D’Arco para matar camponeses”. Testemunhas afirmam que seguranças privados da Elmo Segurança estavam presentes durante a ação policial. O jornalista Alceu Castilho afirma que Honorato Babinsk era dono da Agro Pastoril Conceição do Araguaia e que a Fazenda Santa Lúcia aparece no Cadastro Ambiental Rural em nome de Honorato Babinski Filho. O processo de regularização do conflito está no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária-Incra.

O Conselho Nacional de Direitos Humanos e a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão visitaram o local da chacina logo após o crime e estão acompanhando as investigações.

Pau D’Arco é o local onde também ocorreu o Massacre de Eldorado dos Carajás, em 1996, quando 21 trabalhadores rurais foram mortos.

Em 10 de julho, 13 policiais foram presos provisoriamente por suposto envolvimento no massacre.

Para ler esta história em inglês, clique aqui.

Linha do tempo