abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthC4067174-3DD9-4B9E-AD64-284FDAAE6338@1xinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapeline, chart, up, arrow, graphlocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewArtboard 185profilerefreshIconnewssearchsecurityPathStock downStock steadyStock uptagticktooltiptwitteruniversalityweb

O conteúdo também está disponível nos seguintes idiomas: English

Artigo

22 Jan 2023

Author:
The Guardian,
Author:
Deutsche Welle (Brasil)

Brasil: Yanomamis são resgatados com desnutrição grave e malária; garimpo e falta de ação do governo são responsabilizados pela tragédia

Agência Brasil

“Garimpo e inação do governo levaram yanomami à tragédia”, 22 de Janeiro de 2023

Cerca de 40% da população yanomami teve diagnóstico confirmado de malária em 2022...

Nos quatro anos da gestão Jair Bolsonaro, pelo menos 570 crianças yanomami morreram, na sua maioria de doenças curáveis como desnutrição, malária e diarreia, informou o governo federal...o número pode ser maior, devido a um apagão nos dados da saúde indígena.

Apesar das doenças e das mortes evitáveis, a ida de profissionais da saúde às aldeias yanomami foi bloqueada por garimpeiros nos últimos anos, que assumiram o controle de polos de saúde e de pistas de pouso...

Em vista da tragédia na região, o governo federal declarou na sexta-feira Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional na Terra Indígena (TI) Yanomami. A última vez que o Brasil declarou uma emergência do tipo foi em 2020, por causa da pandemia de coronavírus.

No sábado, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ministros estiveram em Boa Vista para anunciar as ações federais de socorro ao povo yanomami. Em pronunciamento no local, Lula afirmou ter ficado chocado com histórias de indígenas que estão há seis meses na cidade sem conseguir voltar para suas aldeias por falta de segurança e de transporte aéreo...

A emergência socioambiental e sanitária que vinha se desenrolando no território indígena não era desconhecida pelo governo Bolsonaro. Em 2019, um estudo da Fiocruz alertou que 56% dos indígenas apresentavam concentrações de mercúrio no sangue acima do limite, substância venenosa usada para garimpar o ouro nos rios...

"Nos quatro anos do governo Bolsonaro, somente eu fiz cerca de cem pedidos de ajuda para o Ministério da Saúde e a Funai e denúncias protocoladas no Ministério Público Federal. Nenhum desses pedidos foi atendido. Quando eu trouxe uma equipe de jornalistas para ver a situação dos yanomami, a Funai ameaçou me processar", diz Júnior Yanomami. Ele recebe ameaças de morte desde 2019...