abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapelocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewprofilerefreshnewssearchsecurityPathtagticktooltiptwitteruniversalityweb
Artigo

Grupos ambientais propõem padrões de segurança para barragens de rejeitos

“Iniciativa global quer impedir novos rompimentos de barragens de mineração via controle independente”, 1 de Julho de 2020 

Mais de 140 organizações e pesquisadores de 24 países acabam de lançar um guia para pressionar mineradoras a acabar com os riscos que barragens de rejeitos representam.

A iniciativa vem pouco antes de um prometido “novo padrão internacional” para a segurança de barragens que está sendo elaborado pelo International Council on Mining and Metals (ICMM) em parceria com fundos de investimento e a ONU. Desde 2010, 71 barragens de rejeitos romperam em todo o mundo, causando a morte de 482 pessoas, despejando mais de 100 bilhões de litros de rejeitos e contaminando mais de 2,100 quilômetros de rios e cursos d´água.Os rompimentos de Mariana em 2015 e de Brumadinho em 2019 são os maiores casos não só da década, mas figuram entre os maiores da história da mineração. Quase 300 pessoas morreram e as bacias do Rio Doce e do Rio Paraopeba foram destruídas...