abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapeline, chart, up, arrow, graphlocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewArtboard 185profilerefreshnewssearchsecurityPathStock downStock steadyStock uptagticktooltiptwitteruniversalityweb
Artigo

Investigação transfronteiriça independente revela que madeireiros peruanos exportam madeira ilegal da Amazônia

Iván Fores Perú

“Investigação transnacional revela que punições dos Estados Unidos a madeireiras não impediram exportação; comércio vende também madeira da Amazônia brasileira”, 31 de Maio de 2021

Empresas ligadas a duas madeireiras peruanas punidas nos Estados Unidos entre 2017 e 2019 pelo transporte de madeira ilegal continuam exportando madeira da Amazônia para vários países…chamadas Inversiones La Oroza e Inversiones WCA E. I. R. L. – utilizam uma rede de outras empresas, familiares e aliados para os negócios, com registros inconsistentes dos preços da madeira exportada. Apesar de afirmarem que verificam se a procedência é legal, não apresentaram provas no Peru ou às autoridades americanas de que melhoraram seus processos para garantir a origem da madeira embarcada para o exterior.

As revelações são o resultado de uma investigação jornalística transnacional da qual a Agência Pública faz parte com Columbia Journalism Investigations (CJI), Centro Latino-Americano de Jornalismo Investigativo (Clip), El Informe con Alicia Ortega do Grupo SIN (República Dominicana), Ojo Público (Peru) e Mongabay Latam (México e Peru)...

A primeira empresa, Inversiones La Oroza, foi a responsável pela maior parte da madeira ilegal transportada em 2015 pelo navio Yacu Kallpa de Iquitos, na Amazônia peruana, para os Estados Unidos. Como resultado, em 2017, em decisão histórica, o governo federal americano proibiu por três anos a empresa de fazer exportação de madeira para o país, sanção renovada no ano passado por mais outros três, até 2023.

Já a Inversiones WCA – a terceira maior transportadora de carga do navio Yacu Kallpa – foi impedida de entrar nos Estados Unidos em 2019 porque o governo do Peru descobriu que, um ano antes, a empresa havia enviado ao país madeira que não havia sido extraída e comercializada de acordo com a legislação peruana...

A investigação constatou que as duas companhias continuaram a exportar para vários outros países, incluindo o México, onde entre os compradores estão empresas do conglomerado madeireiro dos irmãos Ceballos Gallardo...

A reportagem descobriu também que o gerente da La Oroza,...fundou a empresa Mafilo, na República Dominicana, com um sócio dominicano...Desde sua criação em 2016, a madeireira dominicana importou US$ 5,5 milhões de vários países...importou do Brasil várias cargas de madeira de espécies amazônicas ameaçadas de extinção e comprou de duas empresas brasileiras suspeitas de terem adquirido no passado madeira de origem fraudulenta, como revelou a Operação Arquimedes..em 2017.

...o principal parceiro da WCA...suspendeu as exportações após a sanção do governo federal americano, mas continuou exportando em 2020 com outra de suas empresas...