abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthC4067174-3DD9-4B9E-AD64-284FDAAE6338@1xinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapeline, chart, up, arrow, graphlocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewArtboard 185profilerefreshIconnewssearchsecurityPathStock downStock steadyStock uptagticktooltiptwitteruniversalityweb

The content is also available in the following languages: English, español, français, 日本語, 简体中文

COVID-19: Vigilância, censura e privacidade

Photo: camilo jimenez, Unsplash

Em resposta à pandemia global de COVID-19 (Coronavírus), governos de todo o mundo estão tomando várias medidas para rastrear e controlar infecções e combater a desinformação. Para conter o surto, alguns governos estão implantando redes de vigilância, rastreamento pessoal de celulares e tecnologias de inteligência artificial e reconhecimento facial. Ao mesmo tempo, os governos estão tomando medidas para lidar com a rápida disseminação de informações falsas e enganosas que acompanharam o surto nas mídias sociais, marcado pela Organização Mundial da Saúde como uma "infodemia" maciça que ameaça minar os esforços para combater o surto. As empresas de mídia social também tomaram medidas para lidar com alegações falsas e direcionar os/as usuários/as a informações precisas.

No entanto, teme-se que as autoridades possam estar usando a ameaça de infecção e desinformação como pretexto para aumentar desproporcionalmente as capacidades de vigilância, reprimir as liberdades fundamentais e justificar fortemente a censura que silencia fontes de informação independentes, além de conteúdo legitimamente prejudicial. Esta seção apresentará as últimas notícias sobre os impactos do surto de COVID-19 em relação à vigilância, censura e privacidade.