Brasil: Cacique Jorginho Guajajara é assassinado no Maranhão; indígenas afirmam que madeireiros e caçadores os agridem & invadem impunemente sua terra

Autor: Instituto Socioambiental-ISA (Brazil), Publicado em: 16 August 2018

"Cacique Jorginho Guajajara é assassinado no Maranhão-Crime estaria relacionado ao acirramento do conflito dos índios com madeireiros que invadem impunemente a Terra Indígena Araribóia", 14 de Agosto de 2018
Mais uma liderança indígena é morta no Brasil. O cacique Jorginho Guajajara, da Terra Indígena Araribóia, na Amazônia maranhense, foi assassinado...[em 12 de agosto]...[S]eu corpo foi encontrado na ...entrada...de Arame (MA), cuja sede faz limite com a TI...[Terra Indígena]...Jorge era cacique da aldeia Cocalinho I, do povo Guajajara..."Até agora nenhum órgão se manifestou", afirma Vitorino Guajajara, da região de Lago Branco, na TI. Segundo Marçal Guajajara, o cacique foi morto por não-indígenas. O conflito na região é acirrado, com invasões constantes de madeireiros na Terra Indígena. Segundo Vitorino, existe uma espécie de toque de recolher na cidade e nenhum índio deve circular em Arame depois das 22 horas. O cacique Jorge estava no município depois desse horário. "Se for lá depois das 22h, acontece isso", relata Vitorino. "Os madeireiros se juntam aos caçadores para agredir nossos parentes", relata. A região amazônica do Maranhão é alvo de intenso desmatamento e degradação florestal, inclusive dentro de terras indígenas...70% do bioma já foi desmatado no Estado...Apenas na TI Araribóia, foram 24.698 hectares desmatados até 2017...[Em]...Arame...dos últimos 25% de floresta restante, a maior parte está em terras indígenas. Além da TI Araribóia, os Guajajara ainda possuem uma segunda área que incide sobre o território do município, a TI Geralda/Toco Preto, de 19 mil hectares...Para combater a invasão de seus territórios e a degradação de suas florestas, os Guajajara têm se organizado em grupos de proteção territorial chamados de "guardiões da floresta", que também fazem a vigilância contra madereiros e caçadores. O grupo ainda busca proteger, dos invasores, índios Awá Guajá isolados que vivem na região. Xulwi Guajajara é líder do grupo de guardiões da Aldeia Zutiu, na TI Araribóia. Segundo ele, há um grupo de madeireiros foragidos da Justiça vivendo na TI, e que realizam assaltos na região. Isso tem acirrado o conflito e as ameaças contra os guardiões, que estão buscando apoio das autoridades locais e federais.

Leia a postagem completa aqui