Você será redirecionado/a para a história na qual essa parte de conteúdo se encontra, para que você possa lê-la dentro do contexto. Por favor, clique no link seguinte se não for direcionado/a automaticamente dentro de alguns segundos:
pt/brasil-assassinato-de-cacique-por-garimpeiros-ocorre-em-contexto-de-aumento-de-ataques-e-invasões-a-terras-indígenas-com-apoio-de-bolsonaro#c192177

Brasil: Conselho das Aldeias Wajãpi divulga nota com informações a respeito da invasão da Terra Indígena

Autor: Conselho das Aldeias Wajãpi - Apina (Brazil), Publicado em: 28 July 2019

“NOTA DO APINA SOBRE A INVASÃO DA TERRA INDÍGENA WAJÃPI”, 28 de julho de 2019

Nós do Conselho das Aldeias Wajãpi – Apina queremos divulgar as informações que temos até agora sobre a invasão da Terra Indígena Wajãpi. 2ª feira, dia 22/07, no final da tarde, o chefe Emyra Wajãpi foi morto de forma violenta na região da sua aldeia Waseity, próxima à aldeia Mariry. A morte não foi testemunhada por nenhum Wajãpi e só foi percebida e divulgada para todas as aldeias na manhã do dia seguinte (3ª feira, dia 23). Nos dias seguintes, parentes examinaram o local e encontraram rastros e outros sinais de que a morte foi causada por pessoas não-indígenas, de fora da Terra Indígena. 6ª feira, dia 26, os Wajãpi da aldeia Yvytotõ, que fica na mesma região, encontraram um grupo de não-índios armados nos arredores da aldeia e avisaram as demais aldeias pelo rádio. À noite, os invasores entraram na aldeia e se instalaram em uma das casas, ameaçando os moradores. No dia seguinte, os moradores do Yvytotõ fugiram com medo para outra aldeia na mesma região (aldeia Mariry). No dia 26 à noite nós informamos a Funai e o MPF sobre a invasão e pedimos para a PF ser acionada. Na madrugada de sexta para sábado, moradores da aldeia Karapijuty avistaram um invasor perto de sua aldeia...[N]o dia 27, sábado, nós começamos a divulgar a notícia para nossos aliados...[N]o dia 27 à tarde, representantes da Funai chegaram à TIW e foram até a aldeia Jakare entrevistar parentes do chefe morto, que se deslocaram até lá. Os representantes da Funai voltaram para Macapá para acionar a Polícia Federal. Os guerreiros wajãpi ficaram de guarda próximo ao local onde os invasores se encontram e nas aldeias que ficam na rota de saída da Terra Indígena...[I]sso é o que sabemos até agora. Quando tivermos mais informações faremos outro documento para divulgação...

Leia a postagem completa aqui

Baixe o documento inteiro aqui