Brasil: Entregadoras/es de aplicativos de comida correm alto risco de contrair coronavírus segundo pesquisadora, inclui comentários da 99 Food, iFood, Loggi, Rappi e Uber Eats

 Brasil Pandemia e o risco para entregadores_credit_Mohamed Hassan_https://pxhere.com/pt/photo/1584917

Diante da recomendação para o autoisolamento, serviços de entrega viraram uma salvação para os clientes e estabelecimentos. Enquanto a população se protege da pandemia do COVID-19, causada pelo coronavírus, empresas lucram com o serviço, de acordo com artigo do The Intercept. No entanto, entregadoras/es de aplicativos de comida alertam para os riscos que correm com sua atividade. Há comentários das empresas de aplicativo 99 Food, iFood, Loggi, Rappi e Uber Eats.

 

 

Receba RSS dos resultados

Todos os componentes dessa história

Artigo
6 May 2020

“Motoboys do Distrito Federal cobram dos apps de delivery melhores condições de trabalho.”

Autor: Metrópoles

Empregados protestam no centro de Brasília porque consideram que a atuação deles não é valorizada pelas plataformas e encontram dificuldades. Atuantes mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus, entregadores de comida por aplicativo do Distrito Federal se reuniram na área central de Brasília...para cobrar melhorias nas condições de trabalho ofertadas pelas plataformas de delivery. Entre as pautas, os colaboradores das plataformas cobraram ainda maior valorização do serviço desempenhados pelos trabalhadores. Os motoboys ainda questionaram as plataformas sobre bloqueios de contas que, segundo os manifestantes, seriam realizados pelos aplicativos sem motivo aparente...Levantamento do Sindicato dos Motociclistas Profissionais do Distrito Federal (Sindmoto-DF) aponta que a capital tenha entre 10 mil e 15 mil profissionais do segmento circulando durante a pandemia...

Leia a postagem completa aqui

Artigo
22 April 2020

“Motoboys fazem buzinaço em SP por melhor condição de trabalho durante pandemia”

Autor: Mundo Sindical

Um grupo de motoboys realizou...um protesto pelas ruas da capital paulista...Os trabalhadores reclamaram das condições precárias de trabalho às quais estão submetidos nesta quarentena contra o novo coronavírus.“Se as empresas dão a rota, e a gente não aceita, ficamos bloqueados por semanas, diz o entregador Robson Luís da Silva, 38, que faz entregas pelos aplicativos Rappi, iFood e Uber Eats. Silva diz que foi bloqueado por um aplicativo por não conseguir concluir uma entrega numa comunidade da periferia de São Paulo...“Eu me sinto um escravo. Sofri um acidente esses dias, meu dedo ficou com fratura exposta. Reportei o problema ao aplicativo, mas a empresa só queria saber se eu conseguiria concluir a entrega”...Para o motoboy David Lima, outro problema é o valor que a categoria está recebendo para fazer as entregas num momento em que “os entregadores estão mantendo a cidade minimamente em pé”.“Quem está botando a cara na rua e entregando comida, medicamento e todo tipo de produto somos nós. Mas a população precisa saber que ganhamos, em média, R$ 10 para percorrer 15 km”...Ao final da carreata, os manifestantes se aglomeraram com um carro de som em frente à sede do iFood, em Osasco...Os trabalhadores também disseram que não querem, agora, discutir a legalidade do vínculo trabalhista...“Queremos máscara, luvas e álcool em gel para trabalhar com dignidade”, disse um motoboy na manifestação...

Leia a postagem completa aqui

Artigo
14 April 2020

Covid-19: Uber Eats tem 48 horas para adotar medidas de mitigação de riscos a que os trabalhadores da plataforma de entrega estão expostos. Liminar foi concedida no final da tarde de terça-feira, 14, após ação ajuizada pelo Ministério Publico do Trabalho

Autor: Ministério Público do Trabalho (Brazil)

Para que se reduza ao máximo o risco de contaminação pelo coronavírus...dos trabalhadores da plataforma de entrega de produtos gerenciada pela Uber Eats, a empresa deverá distribuir gratuitamente álcool em gel (70%) entre os trabalhadores, fornecer produtos e equipamentos necessários à proteção e promover treinamento adequado sobre o uso, higienização, descarte e substituição dos mesmos...A decisão foi proferida em caráter liminar pela 73a Vara do Trabalho de São Paulo, em ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho em São Paulo...A empresa deverá expedir aos estabelecimentos cadastrados na plataforma digital, orientação contendo medidas compulsórias de proteção aos profissionais de entrega...A empresa deve prestar assistência para encaminhamento ao serviço médico disponível...Caso as medidas não sejam cumpridas, haverá incidência de multa diária no valor de R$1.000,00 (um mil reais) por determinação descumprida... 

Leia a postagem completa aqui

Artigo
7 April 2020

Brasil: Ifood derruba liminar que o obrigava a pagar entregadores afastados por coronavírus

Autor: Ivan Martínez-Vargas, Folha de S. Paulo (Brazil)

“Ifood derruba liminar que o obrigava a pagar entregadores afastados por coronavírus. Empresa argumentou que desembolsos poderiam acarretar custo de até R$ 150 milhões”, 7 de Abril de 2020

O aplicativo de entregas de comida iFood conseguiu reverter nesta terça-feira (7) decisão da Justiça do Trabalho que obrigava a empresa a pagar assistência financeira de ao menos um salário mínimo (R$ 1.045) aos entregadores afastados por integrarem grupos de risco, por suspeita de coronavírus ou por estarem com a doença...[O juiz] havia atendido a um pedido do MPT (Ministério Público do Trabalho)...O iFood recorreu com pedido de mandado de segurança...que foi concedido pela desembargadora Dóris Torres Prina... a magistrada afirma que o aplicativo não é o empregador dos motoboys,...os entregadores "são usuários da plataforma digital, nela se inscrevendo livremente". Para ela, o iFood não exerce "qualquer atividade correlata ao fato gerador da pandemia, mostrando-se inadequado impor-lhe a realização de medidas de extrema complexidade, em prazo tão exíguo e sem lhe conferir o direito ao contraditório, sob pena de aplicação de multa elevada". Para o advogado do iFood...a empresa já remunera entregadores que estejam em grupos de risco ao coronavírus ou que tenham suspeita de contaminação ou efetiva infecção pela Covid-19...com a média de entregas já feitas, por exemplo, mas tem como piso R$ 100.

Leia a postagem completa aqui

Artigo
6 April 2020

Brasil: Decisão do Min. Público do Trabalho garante aos entregadores/as do iFood e Rappi pagamento, caso sejam contaminados pelo coronavírus

Autor: Giovanna Galvani, Carta Capital (Brazil)

“iFood e Rappi deverão garantir pagamento a entregador com coronavírus. Decisão foi tomada pelo Ministério Público do Trabalho, que também prevê postos de higienização e água para os trabalhadores dos aplicativos”, 06 de abril de 2020

O Ministério Público do Trabalho (MPT) publicou duas liminares que determinam que as empresas iFood e Rappi paguem os entregadores que sejam contaminados com o coronavírus...e também discorrem sobre o fornecimento de materiais de higienização aos trabalhadores de delivery por aplicativo. As decisões...decorrem de duas ações civis públicas ajuizadas pelo MPT de São Paulo. Caso algum entregador seja afastado por conta da contaminação pelo coronavírus, as plataformas terão que repassar o equivalente à média dos últimos 15 dias de pagamento ao trabalhador – “garantindo, pelo menos, o pagamento de um salário mínimo mensal”...As liminares também obrigam as empresas a disponibilizarem gratuitamente álcool gel 70% e água potável...além de espaços espalhados para a higienização de veículos, mochilas de entrega, capacetes e jaquetas. ...Caso as ações sejam descumpridas, ambas empresas poderão sofrer multa diária de 50 mil reais...Em resposta, as empresas iFood, Rappi e Uber retornaram com anúncio de propostas de fundos solidários e orientações para os entregadores...

Leia a postagem completa aqui

Artigo
24 March 2020

Brasil: Depoimento de entregador de comida relata a insegurança e o perigo de trabalhar durante a pandemia

Autor: The Intercept Brasil (Brazil)

"Aplicativos colocam entregadores em risco com coronavírus", 24 de março de 2020 

Coronavírus: como é fazer entrega em tempo de pandemia. Aplicativos como @ifoodbrasil, @ubereats_br e @rappibrasil incentivam entregadores a continuar nas ruas, mas não tomam medidas eficazes para protegê-los. Neste vídeo, Paulo Lima, entregador de 31 anos, narra as dificuldades de ser mais demandado do que nunca, mas continuar invisível: “Motoboy é ser humano, tem sonho, igual a todos os outros profissionais. A gente não é só entregador de comida”.

Leia a postagem completa aqui

Artigo
23 March 2020

Brasil: Empresas de aplicativos aumentam delivery e colocam entregadores em risco com o coronavírus segundo pesquisadora, inclui comentários das empresas

Autor: Bruna de Lara, Nathália Braga, Paulo Victor Ribeiro, The Intercept Brasil (Brasil)

“ 'PARCERIA' DE RISCO. Aplicativos lucram com coronavírus pondo entregadores em risco de contágio”, 23 de março de 2020

Ficar em casa... principais recomendações para a contenção da pandemia do novo coronavírus.... Mas, nas ruas esvaziadas... figuras não irão desaparecer: as de trabalhadores circulando em motos ou bicicletas munidos de mochilas....Quando sair de casa significa colocar a saúde em perigo, a comodidade oferecida pelos aplicativos de entrega se torna ainda mais sedutora. Na outra ponta, porém, há pessoas expostas aos riscos...E as marcas que elas carregam nas costas não estão tomando medidas eficazes para protegê-las do contágio. O Intercept entrou em contato com as quatro empresas para saber que políticas foram criadas para evitar que seus entregadores contraiam a covid-19... Ainda que todas aleguem estar trabalhando em diversas providências para protegê-los, a única medida em comum...[é o]...compartilhamento de informações de prevenção divulgadas pelo Ministério da Saúde... A Loggi decidiu medir a temperatura de todo mundo que frequenta seu centro de distribuição .... [e] distribuirá luvas “em suas principais agências”. A Rappi...dará álcool gel e panos desinfetantes aos entregadores.... Enquanto governos tomavam medidas de isolamento, o iFood disparava mensagens incentivando entregadores a saírem mais....Os principais aplicativos de entregas do Brasil...concentravam cerca de 172 mil entregadores até 2019...Todos rejeitam ter vínculos empregatícios com os trabalhadores, a quem dizem apenas fornecer a tecnologia do serviço de entrega...A pesquisadora da Unicamp...[Abílio afirmou que trabalhadores]...“...estão em uma condição de alto risco”...É preciso que as empresas assumam que estão gerenciando...trabalho que ameaça a saúde dos entregadores sem condições de remuneração ou segurança adequadas...As cinco empresas contatadas pelo Intercept – 99 Food, iFood, Loggi, Rappi e Uber Eats – dizem não ter nenhum caso de entregadores infectados pelo coronavírus. Todas exceto a Loggi...disseram estar se preparando para a possibilidade com a criação de fundos para oferecer auxílio financeiro aos trabalhadores que adoecerem...[porém]...o Ministério da Saúde anunciou que apenas pacientes graves serão testados...[E]ntregadores temem não ter condições de comprovar a doença...[Q]uatro empresas afirmam que qualquer entregador diagnosticado com covid-19 ou em quarentena poderá receber ajuda...

Leia a postagem completa aqui