Brasil: Fazendeiro suspeito de matar Dilma, coordenadora do Mov. dos Atingidos por Barragens, e 5 outras pessoas no Pará, é preso

Brasil Dilma Ferreira da Silva_credit_MAB_http://amazoniareal.com.br/wp-content/uploads/2019/03/Dilma-ferreira-da-silva.jpg

Em 22 de março, a Polícia Civil encontrou os corpos de Dilma Ferreira Silva, 47 anos, atingida pela hidrelétrica de Tucuruí, no Pará, e coordenadora regional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) na região desde 2005. Também foram mortos seu marido, Claudionor Costa da Silva, 42 anos, e Hilton Lopes, 38 anos, amigo do casal. O crime ocorreu na própria casa de Dilma, no assentamento Salvador Allende. Os três foram amarrados, amordaçados e assassinadas a golpes de arma branca, segundo as investigações. No domingo, 24 de março, foram encontrados carbonizados os corpos de três trabalhadores (nomes não estavam disponíveis) de uma fazenda próxima de onde moravam Dilma, Claudionor e Hilton. Em 26 de março, o fazendeiro Fernando Ferreira Rosa Filho teve mandado de prisão temporária expedido por ser suspeito de ter matado as 6 pessoas.

Receba RSS dos resultados

Todos os componentes dessa história

Artigo
15 April 2019

Brasil: Em 12 dias, 3 massacres contra defensores/as de direitos humanos em áreas de conflito agrário, próximas a hidrelétricas e desmatamentos

Autor: Sue Branford e Maurício Torres, Mongabay Jornalismo Ambiental Independente (Brazil)

“3 massacres em 12 dias: violência rural aumenta na Amazônia brasileira”, 15 de abril de 2019

A Amazônia registrou 3 prováveis massacres em 12 dias, talvez um recorde para a região, à medida que a violência explodiu em áreas de desmatamento intenso, onde a construção de grandes barragens trouxe uma infusão de capital, elevou os preços da terra e convidou grileiros, madeireiros e fazendeiros à especulação da terra...[U]m líder camponês do movimento dos sem-terra e um dos principais ativistas da barragem estão entre os mortos...[O]s três ataques contra ativistas envolvidos em movimentos sociais ou organizações de trabalhadores rurais têm três características em comum: todos ocorreram em áreas sob influência de uma grande barragem hidrelétrica; todos aconteceram perto ou dentro de um assentamento de reforma agrária;...todos estão localizados ao longo de uma das principais frentes de desmatamento da Amazônia...[O]...governo de direita de Bolsonaro sinaliza o relaxamento das regulamentações ambientais e a tramitação rápida de projetos de grande escala, como a gigante mina de ouro proposta que a mineradora canadense, Belo Sun, deseja abrir perto de Belo Monte...[L]adrões de terra e madeireiros ilegais estão se movendo rapidamente para o território indígena Ituna/Itatá próximo à área...[O]...número de invasões ilegais aumentou significativamente desde 2017...A situação não é muito diferente na Ponta do Abunã,... no rio Madeira...Empresários locais continuam..entusiasmados: “A ponte sobre o rio Madeira, na Ponta do Abunã, é um projeto muito importante”, disse Marcelo Thomé, presidente da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia ...[A]...Comissão Pastoral da Terra...lançou...novo site: Massacres no Campo...[que será]...atualizada com novos relatos confirmados de massacres — um assassinato envolvendo três ou mais pessoas...[A]o assumir o cargo, o Presidente Bolsonaro transferiu o INCRA, que costumava ser anexado à Presidência, ao Ministério da Agricultura, o que, segundo alguns analistas, é um conflito de interesses. O INCRA é agora dirigido por um oficial militar, o general Jesus Corrêa. Após sua nomeação, expressou que seu objetivo era remover “gemas ruins sem quebrar os ovos”. Os movimentos sociais interpretaram esses dizeres como uma expressão de sua determinação em erradicar os ativistas dos movimentos sem-terra dos assentamentos...

Leia a postagem completa aqui

Artigo
10 April 2019

Brasil: ONGs de meio ambiente e direitos humanos repudiam assassinato da defensora Dilma Ferreira Silva

Autor: AIDA Américas, Centro de Informação sobre Empresas e Direitos Humanos, e outras 103 ONGs

“Em face do crime brutal cometido, em 22 de março, contra uma coordenadora do Movimento dos Atingidos por Barragens, no Brasil, as organizações defensoras dos direitos humanos e do meio ambiente, signatárias abaixo, instam as autoridades brasileiras e as organizações multilaterais à garantir que as obrigações do Estado relativas à proteção de defensores e defensoras sejam implementadas”, 8 de abril de 2019

Com profunda tristeza e indignação, recebemos a notícia que Dilma Ferreira Silva, uma coordenadora regional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), juntamente com seu esposo Claudionor Costa da Silva, e Hilton Lopes, um amigo da família, foram assassinados na sexta-feira, 22 de março, no estado do Pará. Os corpos das três vítimas foram encontrados em sua residência com sinais de tortura. Dilma Ferreira Silva era uma ativista proeminente e líder consagrada que, durante mais de três décadas, lutou pelos direitos dos impactados por Tucuruí, grande hidroelétrica construída na Amazônia brasileira durante a ditadura militar que provocou o deslocamento forçado de 32 mil pessoas e graves impactos ambientais...[O]...assassinato de Dilma Ferreira Silva evidencia a grave situação enfrentada pelos defensores dos direitos humanos e do meio ambiente no Brasil, que em 2017 foi o país com o maior número de mortes de defensores, com um homicídio registrado a cada seis dias...[I]nstamos as autoridades brasileiras a garantir que a legislação interna do país e as obrigações internacionais relativas à garantia de direitos humanos e proteção dos defensores do meio ambiente sejam plenamente implementadas, incluindo medidas preventivas para evitar novos atos de violência...

Leia a postagem completa aqui

Item
27 March 2019

Brasil: Fazendeiro suspeito de matar Dilma, coordenadora do Mov. dos Atingidos por Barragens, e 5 outras pessoas no Pará, é preso

Autor: G1 PA — Belém (Brazil)

"Polícia prende fazendeiro suspeito de mandar matar seis pessoas na zona rural de Baião, no Pará-Entre as vítimas está Dilma Silva, coordenadora local do Movimento de Atingidos por Barragens, encontrada morta junto com o esposo e um conhecido em um assentamento"

A Polícia prendeu…[em 26 de março]...homem suspeito de ser o mandante de um triplo homicídioque ocorreu em Baião, nordeste do Pará. Outras três pessoas também foram assassinadas na região dois dias depois. O fazendeiro Fernando Ferreira Rosa Filho, 43, teve o mandado de prisão temporária expedido pela Justiça e foi localizado no município de Tucuruí, sudeste do estado. O crime ocorreu…[em 22 de marco]..., no assentamento Salvador Allende. Aliderança rural Dilma Ferreira Silva, integrante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB); o esposo Claudionor Silva e um conhecido do casal, Hilton Lopes, foram encontrados mortos dentro de uma casa. As vítimas foram amarradas, amordaçadas e possivelmente esfaqueadas...De acordo com a Polícia, quatro irmãos foram apontados como executores do crime e já foram identificados. Eles continuam foragidos...Ainda segundo a Polícia, o fazendeiro preso também é suspeito de ser o mandante da morte de três pessoas, que tiveram os corpos carbonizados e foram encontrados no domingo (24), a 14 km do assentamento, em uma fazenda localizada nas imediações da vicinal da Martins, zona rural de Baião. Segundo a Polícia, os mortos na fazenda seriam um casal de caseiros e um tratorista. Segundo a Polícia, Fernando Filho é o dono da fazenda onde os três funcionários foram mortos e tiveram os corpos queimados. Inicialmente, não havia ligação entre os casos e não estavam relacionados a conflitos agrários. Duas testemunhas foram ouvidas sobre as mortes no assentamento. Foi deflagrada uma operação para prender o principal suspeito do triplo homicídio. "Fernandinho", como o fazendeiro Fernando Filho é conhecido, também é acusado de crimes na região, como envolvimento com tráfico de drogas, agiotagem, receptação, roubo a banco, homicídio, tentativa de homicídio e grilagem de terras...A Polícia coletou provas que comprovaram que "Fernandinho" é responsável pela contratação irregular de funcionários para a fazenda onde três pessoas foram mortas. As investigações concluíram que os dois casos foram cometidas pelo mesmo grupo, a mando do fazendeiro. De acordo com a polícia, Fernando mandou matar Dilma, o esposo e conhecido para ocupar uma parte das terras onde eles viviam e mandou assassinar os próprios funcionários da fazenda para evitar uma ação na Justiça do Trabalho...

Leia a postagem completa aqui

Ação judicial
25 March 2019

Brasil: Dilma Silva, do Mov. dos Atingidos por Barragens, seu marido e amigo são brutalmente assassinados; liderança era atingida pela hidrelétrica de Tucuruí no Pará

Autor: Brasil de Fato (Brazil)

"O que se sabe sobre a morte de Dilma Silva, do MAB, e outras duas pessoas no Pará-Além dela, foram assassinados na quinta (21) o marido, Claudionor Costa da Silva, e Hilton Lopes, amigo do casal", 24 de Março de 2019

[Em 22 de marco]...a Polícia Civil registrou um triplo homicídio ocorrido na zona rural de Baião, nordeste do Pará. Entre as vítimas, estava Dilma Ferreira Silva, 47 anos, atingida pela hidrelétrica de Tucuruí (PA) e coordenadora regional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) na região desde 2005. Além dela, foram mortos o marido, Claudionor Costa da Silva, 42 anos, e Hilton Lopes, 38 anos, amigo do casal. O crime ocorreu na própria casa de Dilma, no assentamento Salvador Allende. A usina de Tucuruí, construída durante a ditadura militar, é a terceira maior do país, atrás apenas das hidrelétricas Itaipu, no Paraná, e Belo Monte, também no Pará…[L]ocaliza-se no rio Tocantins, a 310 km da capital Belém (PA). Cerca de 32 mil pessoas foram deslocadas de suas moradias para construção da barragem, e há mais de 30 anos lutam para garantir direitos. Segundo o MAB, não houve a devida compensação aos atingidos. Em 2011, Silva participou de uma audiência com a então presidenta Dilma Rousseff (PT) e entregou um documento em que pedia uma política nacional de direitos para os atingidos por barragens, com atenção especial para as mulheres atingidas…[C]inco pessoas, em três motocicletas, chegaram às 21 horas…[em 21 de março]...à casa de Dilma, onde também funcionava um pequeno comércio. Durante toda a noite, ouviu-se música alta – os vizinhos estranharam, pois não era hábito do casal...As três vítimas foram amarradas, amordaçadas e, segundo os primeiros indícios levantados pelos investigadores, assassinadas a golpes de arma branca...A coordenadora do MAB teve a garganta cortada e apresentava marcas de lesões corporais – a polícia trabalha com a hipótese de que ela foi torturada. Ainda não se sabe a motivação do crime...A área onde Dilma vivia era uma antiga ocupação, mas já estava regularizada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) desde 2012 e, portanto, não é considerada oficialmente uma área em disputa. Nenhum suspeito foi preso ...O MAB pretende...pedir medidas de proteção aos defensores de direitos humanos no estado. De acordo com...[a]...Comissão Pastoral da Terra..., Dilma é a primeira ativista pelo direito à terra a ser assassinada na Amazônia em 2019...

Leia a postagem completa aqui