Brasil: Imunologista do Instituto Butantan sofre retaliações de membros do governo e do Instituto por divulgar pesquisa que revela ausência de dose segura para uso de agrotóxicos

Autor: Mariana Simões, Agência Pública/Repórter Brasil (Brazil), Publicado em: 16 October 2019

“Pesquisadora é perseguida após comprovar que não existe dose segura de agrotóxicos”, 30 de setembro de 2019

Há 30 anos, a imunologista Mônica Lopes Ferreira desempenha uma celebrada carreira no Instituto Butantan...[H]á dois meses, porém, Mônica tem passado por uma campanha contra ela dentro do instituto. Tudo começou quando a imunologista analisou dez agrotóxicos que estão entre os mais utilizados no Brasil e revelou que todos, em qualquer quantidade aplicada, causam graves prejuízos à saúde humana...[O]s resultados demonstram que os pesticidas causam mortes e malformação de fetos em embriões de peixe-zebra até mesmo em dosagens equivalentes a até um trigésimo do recomendado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).“Quando ele não matava, causava anomalia, o que para mim é uma coisa extremamente preocupante”, alerta Mônica, explicando que a genética do zebrafish, como é conhecido, é 70% semelhante à dos seres humanos. O estudo foi encomendado em 2018 pela Fiocruz, pertencente ao Ministério da Saúde...[M]ônica afirma que a direção do Instituto Butantan embarcou num boicote, acusando-a de realizar o estudo sem o conhecimento do instituto. A instituição tem imposto barreiras para impedir que ela ministre cursos e dê palestras. No final de setembro, o instituto emitiu uma resolução dizendo que quaisquer treinamentos ou cursos ministrados por profissionais do Butantan “devem ser submetidos previamente à análise” pela comissão de ética. Mas, para Mônica, o pior foi ter recebido um comunicado, em agosto, proibindo-a de submeter projetos de pesquisa para aprovação durante seis meses...[O]...resultado é que, desses dez agrotóxicos, nenhum é excelente. Nenhum dá para dizer que a gente pode usar sem problema. Ou eles causam mortalidade nos animais ou eles causam anomalias...[“Q]uando entendermos que juntos nós, cientistas, somos mais fortes, aí a coisa vai mudar. Então acho que o que precisamos é isso. A gente precisa falar, ter voz, e não se esconder. Temos que tirar esse medo...

Leia a postagem completa aqui