Você será redirecionado/a para a história na qual essa parte de conteúdo se encontra, para que você possa lê-la dentro do contexto. Por favor, clique no link seguinte se não for direcionado/a automaticamente dentro de alguns segundos:
pt/brasil-governo-bolsonaro-e-suas-políticas-que-colocam-em-risco-direitos-humanos-e-a-democracia#c189045

Brasil: Indígena Luiz Eloy, advogado da Art. dos Povos Indígenas do Brasil, insta acionistas da BlackRock a restringir compras de commodities de terras indígenas; empresa não comenta

Autor: Joana Cunha, Folha de S.Paulo (Brazil), Publicado em: 27 May 2019

“Ativista roubou a cena em reunião de acionistas da BlackRock, maior gestora de fundos do mundo”, 26 de maio de 2019

O indígena brasileiro Luiz Eloy roubou a cena na reunião anual de acionistas da maior gestora de investimentos do mundo, a BlackRock, em Nova York, na última semana. Um acionista cedeu a própria cadeira a Eloy, que aproveitou a ocasião para fazer o que chama de “incidência”. Dirigindo-se a Laurence Fink, presidente da gestora, Eloy alertou para os riscos do desmatamento...[:]...[“V]ocês têm a responsabilidade sobre o nosso futuro”, disse ele, que é advogado da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, referindo-se a quem aplica em empresas como JBS e Bunge...[E]loy instou as empresas a restringirem a compra de commodities produzidas em propriedades localizadas em terras indígenas...[A]...fala, também endereçada ao governo Bolsonaro, criticou o avanço do desmatamento ilegal “promovido pelo agronegócio”...[A]...BlackRock, que administra em grande parte fundos de índice, não comenta o episódio. Em seu site, diz que leva em consideração fatores como responsabilidade ambiental nas empresas em que investe...

Leia a postagem completa aqui

Empresas relacionadas: BlackRock Bunge JBS