Brasil: JBS, Marfrig e Frigol compram gado na Amazônia de regiões campeãs do desmatamento e epicentros das queimadas de 2019

Agencia Pará/Divulgação_Repórter Brasil

Grandes frigoríficos brasileiros que atuam tanto no mercado doméstico como no internacional compram gado de pecuaristas multados em regiões campeãs de desmatamento, e que hoje estão no epicentro das queimadas na Amazônia. É o caso de JBS, Marfrig e Frigol. A  Repórter Brasil identificou exemplos de como fazendeiros autuados por crimes ambientais conectam o desmatamento e as queimadas na Amazônia a empresas processadoras de carne com alcance mundial. 

Receba RSS dos resultados

Todos os componentes dessa história

Artigo
31 August 2019

Brasil: Repórter Brasil revela compra de gado de áreas de desmatamento ilegal e de fornecedores da ‘lista suja’ por JBS, Marfrig e Frigol, inclui comentários das empresas

Autor: André Campos, Repórter Brasil (Brazil)

“JBS, Marfrig e Frigol compram gado de desmatadores em área campeã de focos de incêndio na Amazônia”, 31 de agosto de 2019

...[N]ove em cada dez focos de incêndio em áreas destinadas ao agronegócio aconteceram em pastagens para a criação de gado...[U]ma prova...é a Área de Proteção Ambiental (APA) Triunfo do Xingu...[F]oi justamente nessa região que a  Repórter Brasil identificou...exemplos de como fazendeiros autuados por crimes ambientais conectam o desmatamento e as queimadas na Amazônia a empresas processadoras de carne com alcance mundial. Um dos casos envolve o pecuarista Adriano José de Mattos. Em janeiro de 2019, fiscais do Ibama identificaram animais de sua propriedade pastando em uma área de 106 hectares derrubada ilegalmente...[N]o mês seguinte à autuação, o frigorífico Marfrig recebeu gado do produtor em sua unidade abatedora de Tucumã (PA)...[O]utra grande indústria do setor, o Frigol, também adquiriu bois do pecuarista entre março e julho deste ano...[A]...JBS também atua na Terra do Meio, uma vasta região no sudeste amazônico que engloba o território da APA Triunfo do Xingu. Um de seus fornecedores, o fazendeiro José Ronan Martins da Cunha, foi multado pelo Ibama...[C]unha foi responsabilizado pelo emprego de mão de obra escrava na Fazenda JK, em São Félix do Xingu...[P]or conta disso, ele foi incluído na “lista suja” do trabalho escravo do governo federal...[Q]uestionada pela reportagem, a JBS afirmou que não adquire animais de fazendas envolvidas com desmatamento, invasão de terras indígenas, embargadas pelo Ibama, ou que utilizam trabalho infantil ou em condições análogas à escravidão...[A]s três empresas declaram adotar políticas para abolir de suas compras o chamado “boi pirata” – ou seja, aquele produzido em áreas desmatadas sem autorização...

 

Leia a postagem completa aqui

Resposta
31 August 2019

Resposta Frigol

Autor: Frigol

...[O]...Frigol é signatário do TAC da Carne e cumpre com todos os critérios e responsabilidades assumidas com o Ministério Público Federal adotando todos os controles necessários para evitar a aquisição de animais irregulares para abate em suas plantas industriais localizadas em São Félix do Xingu e Água Azul do Norte e nas demais unidades industriais localizadas em outros estados brasileiros...[A]...Atividade Pecuária é aceita no interior da APA Triunfo do Xingú conforme descrito no site da IDEFLOR – Bio, no seguinte link: https://ideflorbio.pa.gov.br/unidades-de-conservacao/regiao-administrati... analisamos a coordenada descrita no termo de embargo relacionado ao fornecedor, observamos que a mesma sobrepõe um outro polígono de embargo oficial, que não é atribuído ao nome e CPF do Sr Adriano José de Mattos, localizado a mais de 4 (quatro) quilômetros da propriedade fornecedora...

Leia a postagem completa aqui

Artigo
31 August 2019

Resposta Marfrig

Autor: Marfrig Alimentos

...[A]...Marfrig tem como um de seus pilares estratégicos o desenvolvimento sustentável. Em todas as suas operações nos países onde está presente, há ações concretas para a redução do impacto das suas atividades no meio ambiente, além de manter o compromisso público com o “Desmatamento Zero” para o bioma Amazônia desde 2009. Nesse sentido, a Marfrig estabeleceu diretrizes estratégicas e operacionais que são concretizadas em planos de ação para reforçar o controle da origem da matéria prima que compra...[R]econhecendo que o processo produtivo da carne bovina traz grandes desafios, a Marfrig mantém uma política rígida de compra de animais, bem como um protocolo com critérios e procedimentos que são pré-requisitos para a homologação de fornecedores e fornecimento...[A]...cada aquisição de animais, a Marfrig realiza consultas a respeito de todos os critérios acima mencionados e, para todas elas, inclusive para a consulta ao IBAMA (objeto do presente questionamento) o produtor e propriedade estavam em total conformidade. Todas essas consultas são mantidas arquivadas para efeito de auditorias...

Leia a postagem completa aqui