Brasil: Liderança indígena Cacique Babau pede proteção após plano para matá-lo ser revelado; afirmou que plano foi feito em reunião de fazendeiros e policiais

Brasil Cacique Babau_credit_CIMI_https://deolhonosruralistas.com.br/wp-content/uploads/2019/02/caciquebabau-600x400.jpg

O defensor de direitos humanos cacique Rosivaldo Ferreira da Silva, conhecido como Cacique Babau, liderança do povo Tupinambá na Bahia, denunciou em 8 de fevereiro ao Ministério Público Federal que ele e sua família são alvos de um plano para assassiná-lo. Segundo Babau, o plano foi formulado em uma reunião entre fazendeiros e policiais civis e militares da região de Ilhéus, na Bahia.Os Tupinambás têm sofrido ameaças, difamação, tentativas de assassinatos e criminalização relacionadas a conflitos de terra com grandes fazendeiros e agentes estatais.

Receba RSS dos resultados

Todos os componentes dessa história

Artigo
20 February 2019

Brasil: Ameaçado por fazendeiros, Cacique Babau diz que discurso de Bolsonaro será responsável por muitas mortes no país

Autor: Igor Carvalho, De Olho nos Ruralistas (Brazil)

"Ameaçado por fazendeiros, Cacique Babau diz que discurso de Bolsonaro será responsável por muitas mortes no Brasil -Indígena também recebeu ameaça de leitor em jornal; segundo ele, reunião entre fazendeiros e policiais em Itabuna determinou que agentes forjariam envolvimento de sua família com o tráfico de drogas; episódio reforça tensão e violência no sul da Bahia", 19 de fevereiro de 2019

...O cacique Rosivaldo Ferreira da Silva, o Babau, líder do povo Tupinambá na Bahia, denunciou na última sexta-feira (08/02) ao Ministério Público Federal que ele e sua família são alvos de um plano para assassiná-lo...O esquema consistia em assassinar Babau, seus três irmãos e duas sobrinhas após uma blitz de trânsito. Em seguida seria forjada uma troca de tiros entre os indígenas e os policiais, fazendo parecer que o motivo teria sido tráfico de drogas. Para isso seriam plantados diversos entorpecentes no veículo da família. Os agentes chamariam depois a TV Record e passariam essa versão..."Eu e minha família nunca mexemos com droga, queriam que o Brasil acreditasse que somos traficantes e iam nos assassinar...Quem luta pelos direitos do nosso povo nesse país está correndo risco de vida. O que fizeram comigo é uma covardia. Eu seria assassinado duas vezes, acabariam com a minha honra. Na nossa aldeia, ninguém usa droga e nem mexe com isso"...[disse o cacique]...O plano foi levado até Babau por um integrante da reunião entre fazendeiros e policiais. De acordo com essa testemunha, a morte do cacique deveria ser providenciada "agora". Segundo Babau, a conjuntura política do país facilita: – Bolsonaro passou a campanha inteira falando mal de indígenas, dizendo que não teremos nenhum centímetro de terra, que os fazendeiros deve se armar contra a gente. Deixaram claro, desde que assumiram, que não respeitam os indígenas e os fazendeiros se sentiram no direito de vir pra cima e nos matar. O discurso desse presidente será responsável por muita morte ainda. A notícia repercutiu em sites e blogs da região. Em um deles, o Verdinho de Itabuna, a nota que informa as ameaças ao cacique recebeu mais de setenta comentários, em sua maioria ofensivos ao indígena. Um deles, escrito por um leitor anônimo, foi encaminhado ao MPF: "Vou arrancar a cabeça desse safado. Esperem pra ver, ele não chega em junho. Vai ser festa aqui em Buerarema. Estamos armados até os dentes. Babau, o seu fim já está escrito, ou você some ou vai cair no aço. Serão mais de cem tiros de escopeta na cara"...

Leia a postagem completa aqui

Artigo
20 February 2019

Brasil: Liderança indígena Cacique Babau pede proteção após plano para matá-lo ser revelado; afirmou que plano foi feito em reunião de fazendeiros e policiais

Autor: Front Line Defenders (Ireland)

"Liderança indígena Cacique Babau pede proteção após plano para matá-lo ser revelado", 14 de Fevereiro de 2019

…[O]...defensor de direitos humanos indígena Cacique Babau tornou pública a existência de um plano de assassinato contra ele e cinco de seus familiares. Ele recebeu informações sobre a trama no final de janeiro de 2019, e pediu às autoridades nacionais e estaduais da Bahia que adotassem medidas de proteção em seu favor. Rosivaldo Ferreira da Silva, mais conhecido como Cacique Babau, é o líder da aldeia Tupinambá da Serra do Padeiro, localizada no município de Buerarema, na Bahia. Em sua luta pelo direito à terra, os Tupinambás sofreram um processo de criminalização, difamação, ameaças e tentativas de assassinatos que envolvem agentes do Estado e grandes fazendeiros. No final de janeiro, Cacique Babau recebeu informações confiáveis sobre um plano de assassinato contra ele, três de seus irmãos e duas de suas sobrinhas. Após receber essas informações, o defensor de direitos humanos solicitou que o Governo do Estado da Bahia e o Ministério Público Federal implementassem medidas de proteção para ele e sua família…[O]s assassinatos aconteceriam no sul da Bahia, onde membros da Polícia Militar e Civil realizariam uma falsa blitz de trânsito para plantar drogas e armas ilegais em seu carro. A situação se desenvolveria em um tiroteio, o que seria posteriormente retratado como um confronto, que resultaria na morte do defensor de direitos humanos e de seus familiares. As drogas e armas ilegais, que teriam sido plantadas, seriam posteriormente apresentadas às redes de TV e rádio da região como falsa prova das atividades ilícitas do defensor de direitos humanos. Isso serviria para criar uma campanha de difamação contra ele, para justificar a falta de investigação e para corroborar a versão dos eventos dada pelas autoridades. O plano incluía um relato altamente detalhado do paradeiro e das rotinas do grupo indígena, o que reforça sua autenticidade e expõe o alto nível de risco que a liderança Tupinambá e sua família vêm enfrentando…[O]...plano para matar Cacique Babau foi desenvolvido em...reunião na qual fazendeiros, políticos e membros da Polícia Militar e Civil estavam presentes. A intenção deles era assumir o controle do território Tupinambá, uma vez que a demarcação das terras em que o grupo indígena vive atualmente ainda não está finalizada - as etapas finais do processo de demarcação foram pausadas desde 2016...

Leia a postagem completa aqui