Brasil: Liderança indígena Karipuna reivindica na ONU punição às empresas que violam direitos humanos dos povos indígenas e denuncia violência contra tais povos

Autor: Michelle Calazans, Ascom Conselho Indigenista Missionário-CIMI (Brazil), Publicado em: 17 October 2018

Brasil Lideranca Karipuna ONU_Portal ONU – Conselho de Direitos Humanos_https://cimi.org.br/wp-content/uploads/2018/10/lideranca_karipuna_onu.jpg

“Liderança indígena Karipuna reivindica na ONU punição às empresas que violam direitos humanos dos povos indígenas-Segundo André Karipuna, a violência praticada contra o patrimônio indígena destruiu completamente mais de onze mil hectares de território; 80% nos últimos três anos”, 17 de outubro de 2018

Aliderança indígena André Karipuna reivindicou…[em]...17 de outubro, em Genebra (Suíça), a criação de mecanismos de punição, civil e criminal, para as empresas nacionais e transnacionais que violam direitos humanos dos povos indígenas e de suas terras originárias…[A]present[ou]...naquarta sessão do Grupo de Trabalho Intergovernamental sobre Empresas Transnacionais e outras Empresas de Negócios com respeito aos Direitos Humanos (OEIGWG), fomentada pelo Conselho de Direitos Humanos, na Organização das Nações Unidas (ONU)...[C]ompartilhou seu testemunho de vida e esclareceu que o massacre praticado contra seu povo indígena foi iniciado em meados do século XX, no processo de extração e exportação de borracha…[N]o período em que seus antepassados sofreram profundos ataques, na década de 1970, o povo Karipuna foi reduzido apenas oito pessoas e quase...extinto. “Nossa terra foi reconhecida e demarcada pelo Estado brasileiro na década de 1990. Desde então, vimos recuperando nossa população e hoje somos cinquenta e oitos pessoas…[E]stamos sofrendo um processo de invasão, loteamento, venda e apossamento ilegal em nosso território. A violência praticada contra o patrimônio indígena destruiu completamente mais de onze mil hectares de território para criação de gado; 80% nos últimos três anos......[A]...madeira retirada ilegalmente do território indígena é vendida por empresas locais para outras regiões do país e, muito provavelmente, para outros países. “Eu não quero ver meu povo sofrer os mesmos massacres sofridos em décadas passadas. Não posso aceitar que meu povo e os parentes indígenas isolados que vivem no interior do nosso território sejamos vítimas de um genocídio. Temos feito muitas denúncias junto a diferentes órgãos públicos do Estado brasileiro, responsável constitucionalmente pela proteção de nosso território, mas isso não tem sido suficiente para que medidas eficazes sejam adotadas a fim de impedir o roubo de nossas terras e de nossas florestas”, pontuou…[A]...grave situação de violência praticada contra os Karipuna ganhou destaque no Relatório Violência contra os povos indígenas no Brasil – Dados 2017. O caso dos Karipuna...engrossa o agravamento dos crimes no que concerne às invasões; ao roubo de bens naturais, como madeira e minérios; caça e pesca ilegais; contaminação do solo e da água por agrotóxicos; e incêndios, dentre outras ações criminosas…

Leia a postagem completa aqui