Você será redirecionado/a para a história na qual essa parte de conteúdo se encontra, para que você possa lê-la dentro do contexto. Por favor, clique no link seguinte se não for direcionado/a automaticamente dentro de alguns segundos:
pt/brasil-soc-civil-e-frente-parlamentar-se-preocupam-com-prisão-de-brigadistas-voluntários-que-combateram-fogo-na-amazônia-alegam-que-ação-pode-ser-para-tirar-foco-de-desmatamento-e#c199511

Brasil: Manifesto da sociedade civil apoia Projeto Saúde Alegria (PSA)

Autor: Ass. das Mulheres Trabalhoras Rurais de Santarém, Terra de Direitos, GT INFRAESTRUTURA, Iser Assessoria, Instituto Socioambiental, Instituto Clima e Sociedade, Amabela, dentre outras (Brazil), Publicado em: 27 November 2019

É com extrema preocupação que as organizações abaixo assinadas acompanham a ação de busca e apreensão determinada pelo juiz Alexandre Rizzi nas dependências do Projeto Saúde Alegria (PSA) / CEAPS – Centro de Estudos Avançados de Promoção Social e Ambiental em Santarém, Pará. Vale ressaltar que não existe nenhum procedimento criminal específico contra o PSA e esperamos que, de imediato, sejam assegurados todos os seus direitos de livre manifestação de defesa. Da mesma forma esperamos que essa ação não se trate de mais uma “pirotecnia” para tirar o foco dos graves problemas de desmatamento, queimadas, grilagem de terras e perseguição aos povos tradicionais e agricultores familiares que estão ocorrendo na região oeste do Pará e em toda a Amazônia e, por outro lado, proteger os verdadeiros responsáveis por esse grave crime de degradação sociocultural e ambiental e assim envolver e criminalizar os movimentos sociais, organizações de trabalhadores agroextrativistas e ONGs que sempre estiveram ao lado das lutas populares. Reafirmamos que PSA é uma instituição histórica com mais de 30 anos de atuação em defesa dos extrativistas, povos tradicionais e agricultores familiares na região oeste do Pará. Sua atuação sempre foi marcada pela lisura, transparência, respeito ao estado de direito e demais princípios democráticos e defesa do meio ambiente na Amazônia...Queremos que a polícia investigue e prenda os grileiros, os especuladores, as quadrilhas que invadem e roubam as terras e florestas públicas, usando o fogo como estratégia para limpar a área. E não que acuse sem provas quem trabalha para defender a floresta.

Santarém, 26 de novembro de 2019.

Assinam esta nota:

SINDICATO DOS TRABALHADORES RURAIS, AGRICULTORES E AGRICULTORAS FAMILIARES DE SANTARÉM – STTR/STM. SOCIEDADE PARA PESQUISA E PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE-  SAPOPEMA. TERRA DE DIREITOS. MOVIMENTO BAÍA VIVA DO RIO DE JANEIRO-RJ MOVIMENTO TAPAJÓS VIVO – MTV COLÔNIA DE PESCADORES Z-20/SANTARÉM FAOR – FÓRUM DA AMAZÔNIA ORIENTAL  MAM – MOVIMENTO PELA SOBERANIA POPULAR NA MINERAÇÃO CENTRO DE APOIO AOS PROJETOS DE AÇÃO COMUNITÁRIA – CEAPAC PLATAFORMA DOS MOVIMENTOS SOCIAIS PELA REFORMA DO SISTEMA POLÍTICO OPERAÇÃO AMAZÔNIA NATIV GRUPO DE DEFESA DA AMAZÔNIA – GDA INSTITUTO UNIVERSIDADE POPULAR –  UNIPOP FEDERAÇÃO DE ÓRGÃOS PARA ASSISTÊNCIA SOCIAL E EDUCACIONAL – FASE MST & MOVIMENTO DE MULHERES CAMPO E CIDADE – MMCCFORUM DCA FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES E COMUNIDADES DO ASSENTAMENTO AGROEXTRATIVISTA DA GLEBA LAGO GRANDE – FEAGLE. COLETIVO DE MULHERES DE ANANINDEUA EM MOVIMENTO...COMISSÃO JUSTIÇA E PAZ DA ARQUIDIOCESE DE BELÉM...

Leia a postagem completa aqui