Brasil: Militante do Mov. dos Atingidos por Barragens afirma que mulheres são as mais afetadas pelos desastres das barragens em Mariana e Brumadinho com sobrecarga de trabalho e traumas

Brasil MAB 8 de marco_credit_Fernando Abdo_https://cdn.brasildefato.com.br/media/f65a17594d0af61c723f9f083ef54693.jpeg

Izabella Bontempo, militante do Movimento dos Atingidos por Barragens afirma que mulheres são as mais afetadas pelos desastres das barragens de Mariana e Brumadinho. A barragem de Mariana pertencia à Samarco, joint venture da Vale e BHP. A barragem de Brumadinho pertencia à Vale. Izabela argumenta que as mulheres acumulam o cuidado familiar, sobrecarga de trabalho e traumas psicológicos. Também trata dos impactos causados pelo risco de rompimento de barragem em Congonhas. Para saber mais sobre o caso do Rio Doce, clique aqui. Para saber mais sobre o desastre de Brumadinho, clique aqui. Para entender como as empresas envolvidas no caso de Congonhas estão respondendo às denúncias, clique aqui.

Receba RSS dos resultados

Todos os componentes dessa história

Artigo
12 March 2020

Brasil: Prefeitura de Congonhas lança plano para garantir segurança de barragens com apoio da Vale, CSN, Gerdau e Ferrous

Autor: Gabriel Ronan, Estado de Minas Gerais (Brazil)

"Prefeitura de Congonhas lança plano para garantir segurança de barragens-Objetivo da nova estratégia é garantir maior integração entre os órgãos públicos, monitorar as estruturas 24 horas por dia e criar 'cultura de prevenção' entre os moradores", 17 de fevereiro de 2020

A Prefeitura de Congonhas lançou o Plano Municipal de Segurança de Barragens (PMSB)...[em 14 de fevereiro]...cronograma de proteção que está além do Plano de Ação de Emergência para Barragens de Mineração (PAEBM), que é elaborado e executado, quando necessário, pelas próprias mineradoras. O Executivo municipal divide as atribuições do novo plano em sete pontos diferentes. Em suma, o objetivo da nova estratégia é integrar os órgãos públicos de proteção ao cidadão com os empreendedores; monitorar as condições das represas 24 horas por dia; e criar uma “cultura de prevenção” entre os moradores de Congonhas. O investimento é de R$ 14 milhões e tem apoio das empresas Vale, CSN, Gerdau e Ferrous. Está previsto a criação do Grupo de Ação Mútua (GAM), que será constituído por representantes do poder público e das mineradoras. O GAM terá, ainda, uma empresa terceirizada para operacionalizar as ações do grupo, como a contratação de assessorias técnicas e compra de equipamentos....

Leia a postagem completa aqui

Artigo
12 March 2020

Brasil: Militante do Mov. dos Atingidos por Barragens afirma que mulheres são as mais afetadas pelos desastres das barragens da Vale em Mariana e Brumadinho com sobrecarga de trabalho e traumas

Autor: Izabella Bontemp, Brasil de Fato (Brazil)

"Mulheres são as mais afetadas pelos crimes da Vale em Mariana e Brumadinho-Maiores responsáveis pelo cuidado familiar, mulheres acumulam sobrecarga de trabalho e traumas psicológicos", 11 de Março de 2020

…[M]ais de um ano do crime da Vale na bacia do rio Paraopeba. E o que marca o dia a dia da vida das mulheres atingidas pelo rompimento da Barragem Córrego do Feijão em Brumadinho é luta. É luta por trabalho, por água potável, pela saúde da família, dos filhos, pais e companheiros. Luta diária contra as violações da criminosa Vale, que ataca os direitos pela reparação, indenização e de reconstrução da vida. São relatos de contaminação, doenças de pele, mal estar, aumento do uso de drogas e álcool, dificuldade de acesso ao trabalho, falta de água potável e limpa para o consumo, depressão e instabilidade psicológica. É por isso que as mulheres são as principais vítimas dos rompimentos de barragem no Brasil e no mundo. São as mulheres que provém os cuidados da casa e da família. São elas as encarregadas de colocar o balde na cabeça na hora de buscar água potável ou de acompanhar o familiar até o posto de saúde. Mas a falta de água é apenas um dos direitos básicos negados as mulheres. Os problemas de saúde gerados pelos crimes de mineração estão entre os principais dificuldades sofridas pelas atingidas. Responsabilizadas pelos cuidados com a família, elas sofrem com os problemas no acesso às políticas públicas, cada dia mais sucateadas com o atual governo no Brasil...Em comparação ao crime da Vale, Samarco e BHP Billiton na bacia do rio Doce, há quatro anos, o município de Brumadinho é o que mais reflete casos graves de adoecimento mental. Considerado o maior crime trabalhista do país, o grande número de mortes também contribui na instabilidade emocional coletiva. No município praticamente todos os sobreviventes conheciam pelo menos uma vítima fatal do crime. Mas a dificuldade da mulher atingida não aparece somente quando a barragem rompe. O mesmo ocorre com construções de grandes empreendimentos ou ameaças de instabilidade. As mulheres atingidas pela barragem Casa de Pedra da CSN em Congonhas-MG, por exemplo, estão há 7 meses sem os filhos nas creches, e tendo de garantir o dobro do deslocamento dos filhos mais velhos para frequentar a escola. Tudo isso pela insegurança da barragem que está localizada em cima do bairro residencial...

Leia a postagem completa aqui