Brasil: Queimadas na Amazônia podem ter sido provocadas por grileiros e fazendeiros, mas Bolsonaro culpa ONGs e cientistas alegam que presidente favoreceu desenvolvimento e não a conservação, empresas boicotam

Brasil Bombeiros combate a incendio em Rondonia Amazonia_credit_Brasil de Fato_https://www.flickr.com/photos/brasildefato/48600548156/in/photostream/

As queimadas na Amazônia são comuns nesta época do ano, contudo, os índices do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostraram um aumento de 84% neste ano para o mesmo período se comparação a 2018. Infelizmente, após publicação dos dados e embates com o presidente Bolsonaro, esse exonerou o presidente do Inpe, pois alegava que os dados eram mentirosos, o que foi contestado por vários cientistas no país e internacionalmente, inclusive da Nasa. A polícia investiga também denúncias de que os incêndios foram provocados em ação organizada por grileiros e fazendeiros. O presidente tem atacado as ONGs culpando-as pelos incêndios. E cientistas alegam que o presidente Bolsonaro favoreceu desenvolvimento ao invés de conservação. No dia 19 de agosto, o céu da cidade de São Paulo escureceu no meio da tarde. A causa foi, em parte, os incêndios na Amazônia. Os incêndios colocam em risco a floresta e seus ecosssistemas bem como a moradia e modo de vida de vários povos que ali vivem. Os danos à saúde poderão ser sentidos no local mas também bem longe dali, como em São Paulo.

Receba RSS dos resultados

Todos os componentes dessa história

Artigo
29 October 2019

Brasil: Investigações revelam envolvimento de fazendeiros, empresários e autoridades no ‘Dia do Fogo’ na Amazônia

Autor: Daniel Camargos, Repórter Brasil (Brazil)

“Investigações apontam fazendeiros e empresários de Novo Progresso como organizadores do ‘Dia do Fogo’”, 22 de outubro de 2019

...Novo Progresso, no Pará...[-]...os principais suspeitos de terem organizado as queimadas criminosas nesta parte da Amazônia, nos dias 10 e 11 de agosto, são pessoas poderosas da cidade – fazendeiros, madeireiros e empresários...[O]s responsáveis pelo ‘Dia do Fogo’...chegaram a fazer uma ‘vaquinha’ para pagar os custos do combustível...[A]lém disso, contrataram motoqueiros para entrarem nas estradas de terra próximas à floresta espalhando o líquido inflamável. A ação triplicou os focos de incêndio na região...[U]m dos primeiros suspeitos ouvidos pela Polícia Civil foi Agamenon Menezes, presidente do Sindicato dos Produtores Rurais da cidade...[A]...Polícia Civil já estava investigando o empresário Ricardo de Nadai, proprietário da loja Agropecuária Sertão. Ele teria sido o criador de um grupo de WhatsApp chamado ‘Sertão’, com 70 integrantes, onde foram combinados os detalhes sobre o ‘Dia do Fogo’...[A]s conversas sobre a ação começaram em outro grupo de WhatsApp...[E]stavam presentes também autoridades da região, como o delegado da Polícia Civil, Vicente Gomes, chefe da Superintendência da Polícia Civil do Tapajós...[O]s responsáveis pelo fogo também estão dificultando as investigações, segundo a policial federal...[O]...procurador Paulo de Tarso Moreira de Oliveira, do Ministério Público Federal em Santarém, também participa das investigações e entende que o objetivo do ‘Dia do Fogo’ era inviabilizar a fiscalização ambiental diante da profusão de focos de incêndio...[D]ois meses depois do ‘Dia do Fogo’, porém, o cenário continua desolador no sudoeste do Pará, com trechos imensos de floresta queimados nas estradas de terra que partem da BR-163...

 

Leia a postagem completa aqui

Artigo
24 September 2019

Brasil: Democracia Abierta tem acesso a documentos com planos de destruição na Amazônia contra ‘indigenismo, quilombolismo e ambientalismo’

Autor: Manuella Libardi, Democracia Abierta (Brazil)

“Documentos vazados mostram que Bolsonaro tem planos devastadores para a Amazônia”, 21 de agosto de 2019  

Documentos vazados mostram que o governo de Jair Bolsonaro pretende usar o discurso de ódio do presidente brasileiro para isolar as minorias que vivem na região amazônica. Slides de PowerPoint, que o Democracia Abierta teve acesso, também revelam planos para implementar projetos predatórios que poderiam ter um impacto ambiental devastador. O governo Bolsonaro tem como uma de suas prioridades habitar a região amazônica para prevenir a realização de projetos multilaterais de proteção à floresta...[E]ntre as táticas citadas no documento está a de redefinir os paradigmas do indigenismo, quilombolismo e ambientalismo através das lentes do liberalismo e conservadorismo...[A]...estratégia, antes de começar a depredação, vai acontecer através do discurso. O discurso de ódio de Bolsonaro já está dando sinais de que o plano está funcionando. A Amazônia está em chamas. Está em chamas faz três semanas e nem mesmo quem mora no Brasil sabia. Graças aos esforços de comunidades locais com o auxílio das redes sociais, a realidade está finalmente viralizando...[S]egundo mostra outro slide da apresentação, o governo afirma que existe atualmente uma campanha globalista que “relativiza a Soberania Nacional na Bacia Amazônica”, usando uma combinação de pressão internacional assim como “opressão psicológica” tanto externa como interna que usa como armas ONGs ambientalistas e indigenistas, além da mídia, para fazer pressões diplomáticas e econômicas...[P]ortanto, parte da estratégia do governo de burlar essa “campanha globalista” é depreciar a importância e a voz das minorias que vivem na região, e transforma-las em inimigos...

 

Leia a postagem completa aqui

Artigo
18 September 2019

Brasil: Queimadas em terras indígenas aumentam 88% e são provocadas por grupos econômicos com interesse em exploração agropecuária ou mineral, afirma Conselho Indigenista Missionário

Autor: Geisa Marques, Brasil de Fato (Brazil)

Brasil queimadas_credit_Jose Cruz Agencia Brasil_https://farm66.staticflickr.com/65535/48718781416_f870256f34_z.jpg

“Queimadas em terras indígenas aumentam 88% em 2019”, 11 de setembro de 2019

O número de focos de incêndios em territórios indígenas no Brasil quase dobrou entre os meses de janeiro e agosto de 2019, em comparação com o mesmo período do ano passado. O aumento registrado foi de 88%, segundo levantamento realizado pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi)...[O]...indicador aponta que o total de ocorrências registradas nesses territórios é ainda maior do que o crescimento dos focos de calor registrado no país, que nesse mesmo período subiu 71%. A Terra Indígena Krahô Kanela, localizada no município de Lagoa da Confusão, em Tocantins, é uma das mais afetadas por queimadas. Lideranças locais afirmam que cerca de 95% da área já foi consumida pelo fogo...[A]s queimadas na Floresta Amazônica, como afirmam especialistas, não são naturais e estão relacionadas ao desmonte de políticas ambientais pelo governo e ao discurso antiambientalista do presidente Jair Bolsonaro (PSL)...[O] secretário-executivo do Cimi, Cleber César Buzatto, diz que os dados são muito preocupantes e refletem os interesses de grupos econômicos em relação à exploração das áreas...[“S]abemos também que há muito interesse do capital internacional e um conluio com o governo federal em relação a essa perspectiva da exploração das terras indígenas para fins comerciais, retirando desses povos o direito de usufruto exclusivo”, avalia...[A]...quantidade de territórios atingidos também aumentou, passando de 231 terras indígenas, em 2018, para 274, em 2019...[O]...período mais crítico coincide com a ação criminosa promovida por fazendeiros às margens da BR-163, no Pará, que ficou conhecido como “Dia do Fogo”...[O]...Brasil de Fato cobrou ao Ministério do Meio Ambiente e à Funai um posicionamento sobre o aumento das queimadas nos territórios indígenas. Mas não houve retorno até o fechamento da reportagem...

 

Leia a postagem completa aqui

Artigo
4 September 2019

Brasil: Ao menos 18 marcas internacionais de roupas e calçados anunciam suspensão da compra de couro brasileiro em razão das queimadas e desmatamento na Amazônia

Autor: Estadão Conteúdo/Exame (Brazil)

“Timberland, Kipling e Vans deixam de comprar couro do Brasil”, 28 de agosto de 2019

Pelo menos 18 marcas de roupas e calçados internacionais, como Timberland, Kipling, Vans e The North Face, solicitaram a suspensão de compras de couro do Brasil  por causa das queimadas na Amazônia. A informação foi passada...pelo Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB), associação que representa as empresas produtoras de couro, em carta enviada ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. “Recentemente, recebemos com muita preocupação o comunicado de suspensão de compras de couros a partir do Brasil de alguns dos principais importadores mundiais. Este cancelamento foi justificado em função de notícias relacionando queimadas na região amazônica ao agronegócio do País. Para uma nação que exporta mais de 80% de sua produção de couros, chegando a gerar US$ 2 bilhões em vendas ao mercado externo em um único ano, trata-se de uma informação devastadora”, escreve José Fernando Bello, presidente executivo do CICB...[N]a carta, foram citadas: Timberland, Dickies, Kipling, Vans, Kodiak, Terra, Walls, Workrite, Eagle Creek, Eastpack, JanSport, The North Face, Napapijri, Bulwark, Altra, Icebreaker, Smartwoll e Horace Small...[T]anto a Nasa quanto o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), mostraram que os incêndios deste ano estão relacionados com a alta do desmatamento na região...

Leia a postagem completa aqui

Artigo
4 September 2019

Brasil: Mowi ameaça suspender compra de soja brasileira frente à situação da Amazônia e afirma que seus suprimentos não estão relacionados a violações de direitos humanos

Autor: Reuters/Folha de S. Paulo (Brazil)

“Norueguesa ameaça suspender aquisição de soja brasileira”, 28 de agosto de 2019

A criadora de peixes Mowi, maior produtora de salmão do mundo, pode interromper aquisições de soja do Brasil para suas unidades de piscicultura caso o país não reduza o desmatamento na Amazônia...[:]... [“O]...tratamento dado à Amazônia é inaceitável. A Mowi terá de considerar a busca por outros fornecedores de matérias-primas para ração, a não ser que a situação melhore”, disse em um comunicado a diretora de Sustentabilidade da empresa, Catarina Martins...[“A]...Mowi compra [soja] de fornecedores certificados e pode garantir que nossos suprimentos não estão relacionados ao desmatamento ou às violações de direitos humanos”, afirmou Martins...[“É]...importante que nós e todos os outros que compram produtos do Brasil afirmemos claramente que a floresta amazônica precisa ser preservada e que a atual situação é inaceitável”, acrescentou...

Leia a postagem completa aqui

Artigo
4 September 2019

Brasil: Pecuária, comércio ilegal de madeira e soja estão entre as razões para o fogo na Amazônia afirma Repórter Brasil, inclui comentários da JBS e da AgroSB

Autor: Ana Magalhães, Daniel Camargos e Diego Junqueira, Repórter Brasil (Brazil)

“Os interesses econômicos por trás da destruição da Amazônia”, 24 de agosto de 2019

 ...[P]or trás da derrubada da mata e do fogo, estão poderosos interesses econômicos: a criação de gado, o comércio ilegal de madeira e a produção de soja. Parte desses produtos tem como destino final a Europa...[A]...relação do mercado internacional com as queimadas não é simples, já que a Europa compra produtos que saem de áreas desmatadas ilegalmente há anos...[O]...fogo é uma das etapas do processo de abertura de pastagens, que tem início na derrubada da floresta com tratores e correntes, passa pela secagem e pelas chamas e termina no plantio de capim para alimentar os animais...[S]e na década de 1970 apenas 1% da Amazônia estava desmatada, hoje o índice chega a 20%, segundo relatório da Procuradoria do Meio Ambiente do Ministério Público Federal...[A]...Nasa...[:]...“[Os satélites mostram]...colunas de fumaça enormes saindo daquelas áreas da fronteira agrícola, como Novo Progresso, a região da Terra do Meio, no Pará, e o sudeste do estado do Amazonas”...[L]ocalizada na bacia do rio Xingu, a Terra do Meio é ameaçada pelo avanço do desmatamento...[A]li,a...JBS...foi flagrada comprando gado...da AgroSB, uma das maiores produtoras de gado do país, que foi multada por desmatamento ilegal em R$ 69,5 milhões entre 2010 e 2013...[A]...JBS informou que mantém o posicionamento que deu à época da publicação das reportagens, quando afirmou que, “assim que recebeu as informações sobre as irregularidades, todas as compras de gado da família Junqueira foram imediatamente interrompidas”. Sobre a compra de gado da AgroSB, a JBS informou que “os fatos apontados não correspondem aos padrões” adotados pela companhia. A empresa informou que não adquire animais de fazendas envolvidas com desmatamento ou que estejam embargadas pelo Ibama...[e]...possui...sistema...de monitoramento dos seus fornecedores de gado...[A]... AgroSB...afirmou que...“nunca realizou qualquer supressão de vegetação no imóvel”...[A]s plantações de soja também contribuem para a destruição da floresta. Em 2018, o então ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, divulgou estudo revelando que o grão ocupa ilegalmente 47,3 mil hectares de floresta desmatada da Amazônia...[S]obre a extração ilegal...[,]...investigação...da Repórter Brasil e da organização jornalística dinamarquesa Danwatch revelou...que empresas daquele país compraram produtos de exportadores brasileiros multados diversas vezes pelo Ibama...[E]sses crimes não estão sendo bem controlados por redes de fornecedores internacionais...

[Há menção a Friboi e Swift]

Leia a postagem completa aqui

Artigo
30 August 2019

Brasil: Jornal denuncia grupo com produtores rurais, comerciantes, grileiros que combinaram através de grupo de whatsApp incendiar margens de estrada para mostrar a Bolsonaro que apoiam suas ideias de “afrouxar” fiscalização do meio ambiente

Autor: Ivaci Matias, Globo Rural (Brazil)

"Grupo usou whatsapp para convocar "dia do fogo" no Pará- Polícia investiga ação de incendiários, ao menos 70 pessoas participaram de grupo de mensagens; no dia 10 de agosto, número de focos de incêndios cresceu repentinamente na Amazônia", 25 Ago 2019

...Em Altamira, no Pará, município que lidera o número de incêndios e desmatamentos no Brasil, o Distrito de Cachoeira da Serra, um dos polos agrícolas mais disputados pelos agricultores, ainda repercute a maiorqueimada da história do Pará, que aconteceu no dia 10 de agosto. Essa data vai ficar lembrada para sempre por aqui como o “Dia do Fogo”. Já se sabe que mais de 70 pessoas – de Altamira e Novo Progresso --  entre sindicalistas, produtores rurais, comerciantes e grileiros, combinaram através de um grupo de whatsApp incendiar as margens daBR-163, rodovia que liga essa região do Pará aos portos fluviais do Rio Tapajós e ao Estado de Mato Grosso. A intenção deles era mostrar ao presidenteJair Bolsonaro que apoiam suas ideias de “afrouxar” a fiscalização do Ibama e quem sabe conseguir o perdão das multas pelas infrações cometidas aoMeio Ambiente...A pedido do Ministério Público de Novo Progresso, o Delegado Daniel Mattos Pereira, da Polícia Civil, já ouviu algumas pessoas ligadas ao “Dia do Fogo”, até agora ninguém foi preso. As delegacias dos municípios de Castelo dos Sonhos e Novo Progresso receberam inúmeras denúncias de produtores rurais que se dizem prejudicados pelasqueimadas. Muitos perderam cercas, pastagens, lavouras e animais, tudo devorado pelo fogo. Depois que a denúncia do “Dia do Fogo” veio a público, uma nova versão circula por toda a região...

Leia a postagem completa aqui

Artigo
30 August 2019

Brasil: Procuradora-geral da República diz que há 'suspeita de ação orquestrada' em queimadas na Amazônia e polícia federal investigará o caso

Autor: Rosanne D'Agostino, G1 — Brasília (Brazil)

"Raquel Dodge diz que há 'suspeita de ação orquestrada' em queimadas na Amazônia-Diante disso, procuradora-geral da República disse que pedirá à PF para investigar o caso. Polícia Federal já apura se houve convocação para 'dia do fogo' no Pará.", 26 de agosto de 2019

A procuradora-geral da República,Raquel Dodge, afirmou…[em 26 de agosto]...que há "suspeita de ação orquestrada" emqueimadas na Amazônia…[,]...deu a declaração após ter se reunido com integrantes da Força-Tarefa Amazônia, criada pela Procuradoria para discutir o tema. "Há suspeita de ação orquestrada, há suspeita de uma atuação que foi longamente cultivada para chegar a esse resultado...O que nós percebemos é...há elementos que justificam a abertura de inquéritos para investigar e punir os infratores...Como resultado da reunião de hoje, estou requisitando abertura de inquérito para promover a persecução penal daqueles que incentivaram que queimadas fossem adotadas em terras federais", afirmou Dodge. Neste fim de semana, a Polícia Federal informou queinvestigará se houve uma convocação para queimadas no Pará. Segundo o Ministério Público do estado, um jornal de Novo Progresso (PA) publicou um anúncio para o "dia do fogo"...[A]...PF também informou que vai apurar se houve ação criminosa nas queimadas na Amazônia. Segundo Raquel Dodge,..."O que nós queremos é sincronizar a atuação do Ministério Público brasileiro para que as queimadas e os incêndios cessem e para que os infratores, aqueles que estão cometendo esses gravíssimos crimes de pôr fogo na floresta sejam identificados e punidos", afirmou Dodge...

Leia a postagem completa aqui

Artigo
29 August 2019

Brasil: Agência Pública revela uso de robôs para lançar hashtags a favor de Salles e contra ONGs na Amazônia

Autor: Ethel Rudnitzki, Agência Pública (Brazil)

“Robôs impulsionaram hashtags contra ONGs na Amazônia e a favor de Salles”, 29 de agosto de 2019

...[A]s hashtags foram mais uma vez usadas como armas para ganhar a opinião pública – mas dessa vez, com auxílio de robôs e turbas virtuais...[O]...presidente acusou, sem provas, organizações não governamentais (ONGs) pelos incêndios na Amazônia...[S]eus apoiadores lançaram a hashtag #AmazoniaSemOng...[O]...ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, também recebeu uma hashtag de apoio...[a]...#SomosTodosRicardoSalles...[A]...Pública teve acesso às primeiras 50 mil postagens de cada uma das hashtags #AmazôniaSemONG e #SomosTodosRicardoSalles durante os dias 21 e 22 de agosto, extraídas pelo Laboratório de Pesquisadores Forenses Digitais (DFRLab), da organização Atlantic Council. Os dados mostraram que por trás das tags estavam perfis com indícios de automação, responsáveis por manipular as tendências na rede social...[A]...reportagem verificou que o uso das hashtags foi orquestrado em grupos bolsonaristas no Whatsapp...[A]...grande maioria de postagens vinha de usuários anônimos e alguns ativistas digitais mais influentes...[N]o total, apenas 180 usuários (1% do total de perfis que usaram a tag) foram responsáveis por 20% das primeiras 50 mil postagens com a #AmazôniaSemONG...[É]...uma atividade que indica manipulação das tendências no Twitter, segundo a pesquisadora da organização Atlantic Council Luiza Bandeira...[P]ara as hashtags críticas ao governo na questão ambiental, as taxas de usuários estranhamente ativos foi muito menor...[A]lém das duas hashtags terem sido amplificadas por usuários estranhamente ativos, elas tiveram o engajamento dos mesmos perfis...[O]...Twitter afirmou ter tomado medidas de precaução com os perfis apontados pela reportagem com indício de automação...[S]egundo a análise da AP Exata, houve interferência de perfis automatizados e falsos nas menções à Amazônia para mudar o sentimento predominante. “O objetivo é esse, formar opinião. Quando você forma opinião, não precisa mais interferir”...

 

Leia a postagem completa aqui

Artigo
+ English - Ocultar

Autor: BBC News (UK)

“Amazon fires: Record number burning in Brazil rainforest - space agency”, 21 August 2019

…[T]he National Institute for Space Research (Inpe) said its satellite data showed an 84% increase on the same period in 2018. It comes weeks after President Jair Bolsonaro sacked the head of the agency amid rows over its deforestation data…[C]onservationists have blamed Mr Bolsonaro for the Amazon's plight, saying he has encouraged loggers and farmers to clear the land, and scientists say the rainforest has suffered losses at an accelerated rate since he took office in January. Meanwhile, US space agency Nasa said that overall fire activity in the Amazon basin was slightly below average this year…[I]t was earlier reported that a blackout on Monday in the city of São Paulo - more than 2,700km (1,700 miles) away - had been caused by smoke from the Amazon fires…[W]ildfires often occur in the dry season in Brazil but they are also deliberately started in efforts to illegally deforest land for cattle ranching…[T]he satellite images showed Brazil's most northern state, Roraima, covered in dark smoke, while neighbouring Amazonas declared an emergency over the fires…[M]r Bolsonaro…[:]…["I]…used to be called Captain Chainsaw. Now I am Nero, setting the Amazon aflame,"…[L]ater he appeared to suggest that non-governmental organisations had set fires, as revenge for his government slashing their funding. He presented no evidence and gave no names to support this theory, saying there were "no written records about the suspicions"…Why is Bolsonaro being criticised? The reports of a rise in forest fires come amid criticism over Mr Bolsonaro's environmental policies. Scientists say the Amazon has suffered losses at an accelerated rate since the president took office in January, with policies favouring development over conservation...Previous governments had managed to reduce deforestation with action by federal agencies and a system of fines. But Mr Bolsonaro and his ministers have criticised the penalties and overseen a fall in confiscations of timber and convictions for environmental crimes…

Leia a postagem completa aqui