Brasil: Reforma trabalhista frustra investidores que esperavam mais reduções de salários & direitos, afirmam jornalistas; inclui comentário de empresa

Brazil protest x Labour reforma_credit_Midia Ninja_https://theintercept.imgix.net/wp-uploads/sites/1/2017/10/crucificando-os-direitos-dos-trabalhadores-2-1507130087.jpg?auto=compress%2Cformat&q=90&w=1000&h=664

Jornalistas afirmam que muitos executivos de empresas, investidores, advogados, consultores e representantes do setor financeiro que participaram de uma reunião da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos em Nova York no final de setembro estavam frustrados com a reforma trabalhista brasileira e esperavam mais cortes de salários e de direitos.

Para ler esta história em inglês, clique aqui.

Receba RSS dos resultados

Todos os componentes dessa história

Artigo
6 October 2017

Brasil: Reforma trabalhista frustra investidores que esperavam mais reduções de salários & direitos, afirmam jornalistas

Autor: Helena Borges, The Intercept Brasil (Brazil)

"Reforma trabalhista frustra investidores que esperavam mais reduções de salários e direitos",
4 de Outubro de 2017

...[O]s "investidores"...finalmente começam a mostrar seus rostos e...intenções. Em Nova York, durante uma reunião da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, representantes de empresas globais falaram abertamente sobre sua frustração com a Reforma Trabalhista: o objetivo era, sim, cortar salários e direitos do trabalhadores brasileiros. E eles estão desanimados porque queriam que os cortes fossem ainda mais profundos. Saiu na capa do jornal Folha de S.Paulo...[em 3 de outubro]...: "Reforma trabalhista brasileira desanima investidores nos EUA"...As falas dos empresários deixam claro o que queriam da Reforma Trabalhista. "Então quer dizer que ainda não vamos poder reduzir salários?", indignou-se Terry Boyland, da empresa de tecnologia da informação CPQI... Por não ter acabado completamente com direitos trabalhistas garantidos pela Constituição, o Brasil foi classificado por Boyland como anticapitalista...Das cinco empresas ouvidas pela Folha no evento, duas foram investigadas ou estiveram envolvidas em episódios investigados pela Lava Jato. As outras três companhias possuem interesses diretos nos efeitos da reforma..."[M]ercado" que...encomendou a Reforma Trabalhista...Gustavo Salgado,... do banco Sumitomo Mitsui, reclamou da quarentena de um ano e meio entre a demissão de um trabalhador e a possibilidade de recontratação como pessoa jurídica terceirizada...No Brasil, adota o nome de Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro e tem laços antigos com o BTG Pactual, cujo ex-sócio André Esteves chegou a ser preso na operação Lava Jato em 2015...Outro braço do mesmo conglomerado...Mitsui & Co...também é citado nas investigações da Lava Jato...O grupo Mitsui continua...investindo pesado nas privatizações implementadas pelo governo Temer...O escritório Mattos Filho fez campanha aberta pela Reforma Trabalhista...Na reunião em Nova York, a sócia Glaucia Lauletta...resumiu o sentimento de "frustração" ...: "A gente está no limite, e no Brasil coisas só acontecem quando chegam ao limite."...Foi no escritório de São Paulo que aconteceu o encontro oculto entre o ex-presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, e Emílio Odebrecht em setembro de 2015, quando Marcelo Odebrecht já havia sido preso. A reunião foi relatada no depoimento de Bendine à Polícia Federal, quando ele foi preso...A terceira empresa é a CPQI...[A]...reforma cria brechas para que salários sejam reduzidos abaixo da média em casos de remuneração por hora. E muitas dessas brechas foram redigidas pela Confederação Nacional das Instituições Financeiras..., à qual pertencem alguns dos clientes de Boyland...

[Há menção à Camargo Corrêa, Cosan, Farkouh, Furman & Faccio, Klabin, Petrobras, Stratus, Sumitomo Mitsui Banking Corporation]

Leia a postagem completa aqui

Artigo
+ English - Ocultar

Autor: Terry Boyland, CPQi (USA)

"CPQi commentary on labor reform", 3 October, 2017
CPQi Servicos e Tecnologia Ltda has been operating in Brazil since 2007.
Recently we were pleased to learn about the new labor reform bill which is one of several measures the company supports to move Brazil's economy forward. We would like to make it clear that, contrary to a single out of context comment reported in a Brazilian newspaper, we not only believe that Brazil employs good market principles but that we have benefitted from this market for ten years. Furthermore we strongly believe that the new labor reform measures introduced by the government under President Temer's leadership will be of great benefit to the country as it continues to emerge from recession.
CPQi is disappointed to see such gutter journalism in particular as the main tenor of the debate was in support of the measures being taken.

Leia a postagem completa aqui