Brasil: Reportagens alegam que durante a pandemia entregadores/as de aplicativo trabalham mais, ganham menos e não recebem apoio das empresas para evitar o contágio durante o trabalho; inclui respostas das empresas

 

Brasil entregadores Credit_images/id-4886839/https://pixabay.com/pt/photos/courier-driver-comer-4886839/

Desde o início do início da pandemia do Coronavírus, entregadores/as de plataforma de entrega de produtos como a Rappi, UberEats e Ifood tem garantido com que muitas pessoas façam o isolamento social. No entanto, os aplicativos que usam o trabalho dessas pessoas alegam que não tem qualquer responsabilidade sobre sua saúde ou segurança. Além de trabalharem mais e ganharem menos, conforme pesquisa, as empresas não garantem equipamentos mínimos de proteção, como álcool em gel para uso diário, espaços para a higienização de veículos, bags e capacetes. Dizem que os/as entregadores/as não são seus empregados, mas “colaboradores”, “usuários” da plataforma digital. O Centro de Informação sobre Empresas e Direitos Humanos entrou em contato com a Ifood, UberEats e a Rappi para responder a essas alegações. Ifood e Rappi responderam.

Receba RSS dos resultados

Todos os componentes dessa história

Resposta
19 May 2020

Resposta da Rappi

Autor: Rappi

...Criamos e estamos realizando uma forte campanha de educação, autocuidado e prevenção, comunicando massivamente e diariamente todo o ecossistema - entregadores parceiros, usuários e estabelecimentos...Desenvolvemos e colocamos em prática a entrega sem contato...Compramos e estamos distribuindo intensamente milhares de álcool gel e máscaras para entregadores parceiros...Disponibilizamos no aplicativo do entregador parceiro um botão específico para que ele notifique a Rappi caso apresente sintomas compatíveis com Covid-19 ou confirme o diagnóstico, para que deixe de prestar serviços no aplicativo e seja imediatamente orientado...Criamos um fundo que apoiará financeiramente os entregadores parceiros com sintomas ou confirmação da COVID-19 pelo período de 15 dias em que eles precisarão cumprir a quarentena. No Brasil, a gestão do fundo é feita pela Cruz Vermelha Brasileira...Além disso, o valor de frete da Rappi varia de acordo com o clima, dia da semana, horário, zona da entrega, distância percorrida e complexidade do pedido...

Baixe o documento inteiro aqui

Resposta
19 May 2020

Resposta do Ifood

Autor: Ifood

... O iFood reforça que não houve redução no valor total das entregas de alimentos durante a pandemia, o que significa que a afirmação de que "os entregadores estão trabalhando pelo menos a mesma quantidade de horas e ganhando muito menos" não é aplicável a correios que usam a plataforma iFood.
O valor médio pago por rota de entrega de alimentos é de R $ 8, calculado com base em fatores como a distância percorrida, a cidade e o dia da semana. Todos os entregadores ficam sabendo do valor por rota antes de optar por aceitar ou declinar a entrega ofertada. Embora a demanda tenha aumentado durante o período de pandemia, a empresa tem colocado grande parte da receita em iniciativas de proteção do ecossistema de food delivery (entregador, restaurantes e cliente). Até o momento, a empresa já destinou mais de R$ 14 milhões em medidas de proteção aos entregadores. Medidas estas que, de acordo com a pesquisa Locomotiva, tiveram nota média de 8,9, melhor avaliação entre as do setor que operam no Brasil, de acordo com a pesquisa nacional da Locomotiva no final de abril...

Baixe o documento inteiro aqui

Não resposta
19 May 2020

UberEats não respondeu

Autor: UberEats

Item
18 May 2020

GREG NEWS | DELIVERY

Autor: HBO Brazil

Artigo
7 May 2020

“Coronavírus: entregadores de aplicativo trabalham mais e ganham menos na pandemia, diz pesquisa”

Autor: BBC News (Brasil)

Em meio à pandemia de coronavírus...o comércio eletrônico disparou... o número de entregas também cresceu...levantamento obtido pela BBC News Brasil, feito por um grupo de pesquisadores em quatro Estados brasileiros, indica que os entregadores por aplicativos disseram que, apesar de terem trabalhado mais durante a pandemia, tiveram uma "redução significativa" do salário.  A pesquisa feita pela Rede de Estudos e Monitoramento da Reforma Trabalhista...ouviu 252 pessoas de 26 cidades...Entre os entrevistados, 60,3% relataram uma queda na remuneração... Outros 27,6% disseram que os ganhos se mantiveram e apenas 10,3% disseram que estão ganhando mais dinheiro durante a quarentena...Os pesquisadores dizem ser "possível aventar que as empresas estão promovendo uma redução do valor da hora de trabalho dos entregadores em plena pandemia e sobremajorando seu ganho às custas do trabalhador". Para os pesquisadores, "a redução da remuneração, associada ao aumento do risco de contágio, intensifica a condição que já era precária desses trabalhadores e sinaliza para a exacerbação do ganho da plataforma com as pressões de achatamento da remuneração dos trabalhadores"...O levantamento também perguntou aos trabalhadores se as empresas fornecem materiais de proteção para evitar a contaminação por coronavírus...Os pesquisadores disseram que 62,3% dos trabalhadores revelaram não ter recebido nenhum apoio das empresas para evitar se contaminar durante as entregas, o que gera custos adicionais ao trabalho... O levantamento também indicou que, durante a pandemia, 52% dos entrevistados afirmaram trabalhar todos os 7 dias da semana, enquanto 25,4% deles trabalham 6 dias. Os pesquisadores disseram que esses dois períodos de trabalho — relatados por 77,4% — são considerados "ininterruptos".

Leia a postagem completa aqui