Brasil: Trabalhador vítima de trabalho escravo foi resgatado de fazenda na qual era usado por patrão para obtenção de créditos e empréstimos; empregador nega acusações

Autor: Piero Locatelli, Repórter Brasil (Brazil), Publicado em: 18 June 2019

Brasil casa de trabalhador escravizado_credit_Caio Castor/Repórter Brasil_https://reporterbrasil.org.br/wp-content/uploads/2019/04/imagem-1.jpg

“Há 15 anos vítima de trabalho escravo, trabalhador ainda foi usado para pegar empréstimo”, 30 de abril de 2019

O agricultor Adão Spinola trabalhou por 15 anos em uma fazenda de fumo onde raramente via a cor de dinheiro. Grande parte do tempo embriagado pela cachaça trazida pelo seu empregador, ele dormia em uma casa sem banheiro ou cozinha que ficava dentro da fazenda, na zona rural do município de Venâncio Aires, no Rio Grande do Sul. Mas, ainda que não tivesse acesso à água tratada ou a condições mínimas de segurança e higiene, o agricultor possuía acesso a empréstimos bancários – e uma alta dívida. Adão só descobriu que devia R$ 180 mil reais ao Banco do Brasil quando foi resgatado de situação análoga ao trabalho escravo...[O]...empréstimo não havia sido contratado por ele, e sim pelo seu patrão, Atelor Luís Bald. O fumicultor utilizava o nome do empregado para obter crédito subsidiado no banco, e também como fiador em seus próprios empréstimos...O patrão nega que tenha se beneficiado sozinho, e argumenta que ambos eram “parceiros”  no negócio...[S]egundo os auditores-fiscais do trabalho, o valor era usado para financiar as culturas de milho e de fumo que eram propriedade de Atelor, dono da fazenda onde trabalham sete empregados. Seis deles moram no local de trabalho, em...casas como aquela onde morava Adão...[O]...fumo produzido por Atelor era vendido para as empresas CTA (Continental Tobaccos Alliance) e Tabacos Marasca. A sua esposa mantém um contrato de integração com as duas companhias, comprando sementes e insumos da empresa e se comprometendo a vender ao final da safra. A CTA e a Tabascos não foram responsabilizadas pelo caso...[N]os quinze anos em que esteve neste emprego, Adão desenvolveu um problema de alcoolismo. Ele conta que pouco bebia antes de morar ali, mas essa foi a maneira que encontrou para lidar com a situação...[A]dão conta que foi agredido pelo patrão, com quem discutia constantemente...

Leia a postagem completa aqui