Brasil: Vale sai do Pacto Global da ONU após pressão de organizações da soc. civil em razão dos desastres do Rio Doce e de Brumadinho

Autor: Jamil Chade, UOL (Brazil), Publicado em: 30 May 2019

"Pressionada, Vale sai de pacto mundial de responsabilidade social", 29 de maio de 2019

...Pressionada por entidades brasileiras e internacionais por conta dos desastres em Brumadinho e Mariana, a Vale não faz mais parte do Pacto Global da ONU, a maior iniciativa ambiental e de responsabilidade social entre o setor privado do mundo. No site da iniciativa, a mineradora brasileira já aparece como fora da iniciativa, uma decisão que foi tomada no início de maio e oficializada nesta semana…[O]...Pacto passou a ter 13 mil signatários que...se comprometem com os dez princípios ambientais, sociais e de direitos humanos…[P]recisam prestar contas de suas atividades por meio de relatórios…[C]erca de 800 empresas e fundações brasileiras...faze[m]...parte da iniciativa. Existem...duas formas de uma...empresa ser expulsa…[:]...se a direção da companhia admitir uma violação de direitos humanos ou de suas obrigações sociais…[ou]...se houver uma decisão legal apontando para tal violação. No caso da Vale, a informação de ongs e ativistas é de que a saída foi uma decisão da própria companhia…[O]...site do Pacto da ONU indica que foi a empresa brasileiro quem solicitou sair. A decisão...vem depois que um grupo internacional de entidades solicitaram a exclusão da empresa do Pacto, depois do rompimento da barragem de rejeitos minerais em Brumadinho (MG), ocorrida em 25 de janeiro e que deixou cerca de 170 pessoas mortas, além de dezenas de pessoas desaparecidas e desabrigadas. As entidades incluíram nomes como a Conectas Direitos Humanos, International Federation for Human Rights, Global Justice Clinic of the New York University, Greenpeace Brasil, o Movimento dos Atingidos por Barragens, MiningWatch Canada e outras…[que]...alegaram que a Vale "descumpriu os princípios estabelecidos pelo Pacto sobre uma série de direitos, entre eles, humanos, trabalhistas e ambientais, por não realizar uma avaliação adequada dos riscos, não tomar as medidas de prevenção e mitigação necessárias e por falhar em adotar medidas de não repetição após o rompimento da barragem de Mariana (MG), em 2015...O desastre de Brumadinho mostra que a Vale favorece o lucro em detrimento da segurança como padrão de conduta operacional...Foi necessário o colapso fatal de outra barragem...para que a Vale anunciasse a decisão de desativar as arriscadas barragens a montante, construídas com tecnologia obsoleta", complementam...Vale empregou extensos recursos políticos e financeiros para bloquear a responsabilização jurídica pelo primeiro desastre de Mariana…[,]...não reavaliou seu modelo de negócio, seus processos e políticas para evitar novas catástrofes...

Leia a postagem completa aqui