abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthC4067174-3DD9-4B9E-AD64-284FDAAE6338@1xinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapeline, chart, up, arrow, graphlocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewArtboard 185profilerefreshIconnewssearchsecurityPathStock downStock steadyStock uptagticktooltiptwitteruniversalityweb

O conteúdo também está disponível nos seguintes idiomas: English, español, 日本語,

História

21 Jun 2022

Access Now alerta para a venda de tecnologias de vigilância na América Latina e convida mais de 20 empresas para responder perguntas sobre direitos humanos; incl. respostas de empresas

Access Now

Em agosto de 2021, a Access Now publicou seu relatório "Surveillance Tech in Latin America: Made Abroad, Deployed at Home", um trabalho colaborativo com a Asociación por los Derechos Civiles (ADC), o Laboratório de Políticas Públicas e Internet (LAPIN), e LaLibre.net (Tecnologías Comunitarias).

O relatório revela que a maior parte da tecnologia de vigilância implantada na América Latina é adquirida de Israel, China, Japão, Reino Unido, França e EUA, direta ou indiretamente por meio de uma rede de revendedores. Entre os fornecedores, o relatório menciona AnyVision, Hikvision, Dahua Technology, Cellebrite, Huawei Technologies, ZTE, NEC, IDEMIA e Verint, entre outros.

De acordo com o relatório, essas empresas e seus revendedores estão voando sob o radar, vendendo tecnologia de vigilância implantada em toda a América Latina sem transparência suficiente ou escrutínio público, corroendo processos democráticos e causando impactos negativos nos direitos humanos básicos das pessoas na região.

Em maio de 2022 a Access Now ligou para as empresas e revendedores das tecnologias de vigilância implantadas na América Latina e destacou em seu relatório sobre suas operações e responsabilidade de respeitar os direitos humanos

O Centro de Informação sobre Empresas e Direitos Humanos convidou Andeantrade S.A., Oosto (anteriormente Anyvision), BGH Tech Partner S.A., Cellebrite, Dahua Technology, Danaide S.A., El Corte Inglés, Full Tecnología FullTec CIA Ltda. (FullTec), Hikvision, Huawei Technologies, IAFIS Argentina S.A., IBM, IDEMIA, Intelbras, Johnson Controls, NEC, Oí, RC International, Security Team Network S.A., VERINT, ZTE, Unitech S.A., para responder à alegação contida no relatório. Somente Cellebrite, Verint, IBM, IDEMIA, NEC, Intelbras, Oí, e Andeantrade S.A. responderam.

Também convidamos essas empresas a responder às perguntas do Access Now sobre suas operações e responsabilidade de respeitar os direitos humanos. Somente Intelbras, NEC e RC International responderam.

Atualização - A Oí e a Intelbras responderam à reclamação contida no relatório após 10 de junho de 2022, prazo para resposta.

Respostas da empresa

Huawei Technologies

Sem resposta

Verint Ver resposta
IDEMIA (formerly Morpho) Ver resposta
RC International

Sem resposta

Unitech S.A.

Sem resposta

ZTE

Sem resposta

Security Team Network S.A.

Sem resposta

Oí (formerly Telmar) Ver resposta
Johnson Controls

Sem resposta

Intelbras Ver resposta
IAFIS Group

Sem resposta

Hikvision

Sem resposta

Full Tecnología FullTec CIA Ltda. (Fulltec)

Sem resposta

El Corte Inglés

Sem resposta

Danaide S.A.

Sem resposta

Cellebrite (part of Sun Corporation) Ver resposta
Dahua Technology

Sem resposta

BGH Tech Partner S.A.

Sem resposta

Oosto (formerly AnyVision)

Sem resposta

Andeantrade S.A. Ver resposta

Linha do tempo