abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthC4067174-3DD9-4B9E-AD64-284FDAAE6338@1xinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapeline, chart, up, arrow, graphlocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewArtboard 185profilerefreshIconnewssearchsecurityPathStock downStock steadyStock uptagticktooltiptwitteruniversalityweb
Artigo

12 Mai 2022

Author:
The Intercept Brasil

Brasil: Empresas de aplicativo para faxina ficam com até 64% do valor pago pelo serviço

“O CUSTO DA SUA FAXINA - Faxineira deixa até 64% do valor pago pelo cliente com o aplicativo”, 12 de Maio de 2022

Jéssica Alves Maia do Rio Branco tem 24 anos. Presta serviço de faxineira desde os 16 anos para aplicativos...Sua rotina é marcada por grandes deslocamentos. A MaryHelp, empresa que conecta seus serviços aos clientes, sempre a manda para diárias longe de sua casa...

Segundo Jéssica, não é fácil as pessoas confiarem em qualquer um e colocar para trabalhar em suas casas. Por isso, trabalhar em plataformas é uma condição para ter acesso a novos clientes. Mas o custo é alto: A MaryHelp, por exemplo, cobra de seus clientes R$ 152 em uma faxina de quatro horas, mas Jéssica fica só com R$ 55. Quando trabalha por oito horas, recebe R$ 95.

...A MaryHelp, na verdade, é uma das prestadoras de serviço que usa a GetNinjas para conseguir clientes. Ou seja, o cliente pode passar por duas intermediárias antes de chegar ao trabalho de faxineiras como Jéssica.

A dois graus de distância dos clientes, não há margem para reclamações ou para pedir assistência básica, como comida. As plataformas não oferecem nenhum tipo de auxílio alimentação. Jéssica tem que levar o almoço preparado por sua mãe de casa...

Apesar disso, os clientes são exigentes com seu serviço...

A GetNinjas diz que funciona apenas como “canal de anúncio”, já que o contato e o pagamento do serviço acontecem fora da plataforma. Os profissionais autônomos e as empresas que usam o site compram um “pacote de moedas” para aparecer na busca dos clientes, e usam o dinheiro para pode fazer contato com eles. “São os prestadores que definem preço, horário e condições do serviço junto ao cliente, sendo que o valor cobrado pelo serviço vai 100% para o profissional”, disse a empresa, por meio de sua assessoria de imprensa. Não ficou claro se esses prestadores, quando são empresas intermediárias, embutem esse custo no valor final do serviço.

Nós mandamos sete perguntas à Mary Help...A empresa não respondeu nenhuma, afirmando apenas que “infelizmente não vai conseguir participar dessa matéria”...