abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthC4067174-3DD9-4B9E-AD64-284FDAAE6338@1xinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapeline, chart, up, arrow, graphlocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewArtboard 185profilerefreshIconnewssearchsecurityPathStock downStock steadyStock uptagticktooltiptwitteruniversalityweb
Artigo

20 Jun 2022

Author:
Repórter Brasil

Brasil: Grupo Fischer, produtora de maçã da Turma da Mônica, é acusada de trabalho escravo

“Produtora de maçã da Turma da Mônica é acusada de trabalho escravo após demissão em massa”, 20 de Junho de 2022

...Leandro se reuniu com ao menos outros 40 maranhenses que, arregimentados, viajaram quatro dias de ônibus para trabalhar em pomares de maçãs da Fischer S/A Agroindústria, do Grupo Fischer.... A empresa produz as maçãs da Turma da Mônica...

...A comida oferecida tinha “qualidade duvidosa”, os alojamentos estavam lotados, mesmo durante um novo pico de casos de Covid-19 no estado, e o salário era menor que o combinado durante a contratação...

As irregularidades trabalhistas, segundo relatos à reportagem, não pararam por aí: duas semanas depois, cerca de 200 trabalhadores foram demitidos em massa pela empresa, após uma paralisação das atividades de colheita para exigir o atendimento médico de colegas doentes – dos quais um acabou por morrer. Ao questionarem o valor das verbas rescisórias pagas antes do retorno aos seus municípios de origem, os safristas foram recebidos por agentes da polícia militar do município de Fraiburgo, acionada por funcionários da Fischer.

A situação enfrentada pelos safristas os levaram a processar a empresa na Justiça…Até o momento, 17 processos foram protocolados, e o primeiro deles já foi aceito pelo Judiciário. Os trabalhadores pedem indenização por danos morais, acusando a empresa do não pagamento de verbas rescisórias e de não reconhecer o vínculo empregatício, além de submetê-los à escravidão contemporânea, impondo jornadas exaustivas e condições degradantes de trabalho.

… a empresa não oferecia Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) em quantidades suficientes e afirma que o trabalho era “cansativo” e “perigoso”...

...o Grupo Fischer não respondeu aos mais de dez questionamentos...e afirmou apenas que “se ocupa com afinco no cumprimento e respeito à legislação trabalhista, encontrando-se em conformidade perante os órgãos públicos de fiscalização” e que “eventuais questionamentos porventura existentes em âmbito judicial serão devidamente respondidos pela empresa”. A resposta na íntegra...pode ser acessados aqui.

...a Maurício de Sousa Produções (MSP) para comentar as acusações que envolvem a empresa que produz a maçã com a marca Turma da Mônica. A MSP não respondeu aos questionamentos da reportagem, declarando apenas que “não iria se manifestar”...