abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthC4067174-3DD9-4B9E-AD64-284FDAAE6338@1xinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapeline, chart, up, arrow, graphlocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewArtboard 185profilerefreshIconnewssearchsecurityPathStock downStock steadyStock uptagticktooltiptwitteruniversalityweb
Artigo

22 Nov 2021

Autor/autora:
Amazônia Real

Brasil: Indígenas Akroá Gamella são presos ao impedirem obras de linha de energia em seu território

“Indígenas Akroá Gamella são presos após impedirem obras de linhas de transmissão em seu território”, 22 de Novembro de 2021

...16 indígenas do povo Akroá Gamella presos na última quinta-feira (18) após atos para impedir obras de linhas de transmissão da empresa Equatorial Energia na Terra Indígena Taquaritiua, no município de Viana (MA), foram soltos no sábado (20). Segundo o Conselho Indigenista Missionário (CIMI), os policiais militares foram chamados pela empresa, mas não tinham mandado judicial para realizar a operação. Entre os presos, estavam um adolescente e três mulheres, uma delas lactante.

Dos 16 presos, oito foram indiciados, mas tiveram liberdade provisória decretada pela Justiça Estadual do Maranhão. Eles devem se apresentar à Justiça mensalmente e não podem sair do território indígena. Os oito foram acusados pelo delegado Marcelo Magno, da Polícia Civil de Viana, de roubo de armas de dois policiais à paisana, incêndio de carros, restrição de liberdade de funcionários da Equatorial Energia. Os indígenas indiciados chegaram a ser encaminhados para a Unidade Prisional de Viana, onde tiveram os cabelos raspados.

Os Akroá Gamella negam que tenham roubado as armas. Segundo lideranças ouvidas pela Amazônia Real, eles recolheram as armas por medida de segurança e por achar que os homens que as portavam estavam a serviço da Equatorial Energia, já que eles não usavam fardas da polícia...

A liberdade dos indígenas foi comemorada com uma grande festa ainda no sábado. Como forma de protesto e em solidariedade, todos os homens da aldeia também rasparam os cabelos durante a comemoração da soltura.

…foram levados com truculência pela polícia. Ele descreve a operação como “ação desproporcional”. Na sua conta, havia cerca de 50 homens que chegaram em vários carros, portando armas nas laterais dos veículos e jogando bombas.

…Os Akroá Gamella estão em uma nova retomada de seu território originário, invadido por fazendeiros desde a década de 1970. Em 2014, eles reenviaram à Funai um pedido de identificação do território, cujo processo demarcatório tramita no órgão. Os indígenas rejeitam empreendimentos dentro de suas aldeias sem consulta e, por isso, realizam ações contra obras como a das linhas de transmissão.

A operação que culminou com as prisões começou...quando os indígenas Akroá Gamella impediram funcionários da Equatorial Energia de instalarem linhas de transmissão que passam por cima de aldeias do território...Os Akroá Gamella consideram que a obra de transmissão de energia elétrica ameaça a sua sobrevivência por afetar especialmente áreas de pesca no rio Grande Piraí...