abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthC4067174-3DD9-4B9E-AD64-284FDAAE6338@1xinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapeline, chart, up, arrow, graphlocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewArtboard 185profilerefreshIconnewssearchsecurityPathStock downStock steadyStock uptagticktooltiptwitteruniversalityweb
Artigo

22 Nov 2021

Autor/autora:
Repórter Brasil

Brasil: Repórter Brasil entrevista funcionários da Cutrale que denunciam demissão de grávidas, falta de EPIs e outras regularidades

"Em plena pandemia, Cutrale demite trabalhadoras grávidas e suspende vale-alimentação", 22 de novembro de 2021

...Fim do vale-alimentação e do pagamento das horas de deslocamento, falta de equipamentos de proteção individual (EPIs), revista ilegal e demissão de grávidas: as condições de trabalho entre os safristas da Sucocítrico Cutrale pioram a cada ano, conforme relatos de trabalhadores de fazendas da empresa ouvidos pela Repórter Brasil.

Desde 2019, a empresa com sede em Araraquara (SP) cortou o vale-alimentação dos trabalhadores, que garantia um acréscimo de R$ 240 nos rendimentos mensais dos colhedores de laranja. Os trabalhadores temporários, contratados entre maio e fevereiro deste ano, também deixaram de receber pelas horas gastas no deslocamento às fazendas – chamadas de horas in itinere...

Se a retirada de direitos como vale-alimentação e horas in itinere encontra respaldo nas mudanças recentes na legislação trabalhista brasileira, a falta de EPIs, banheiros nos campos e a demissão de safristas mulheres após a comunicação de uma gravidez continuam caracterizando infrações à lei.

Procurada diversas vezes por e-mail e telefone, a Cutrale confirmou ter recebido as questões da reportagem, mas preferiu não se manifestar sobre as denúncias...

Em fevereiro de 2013, a empresa foi condenada em R$ 500 mil, por dano moral coletivo, por discriminar funcionárias gestantes. À época, a empresa negou as acusações e recorreu da decisão.

A legislação brasileira garante estabilidade provisória no emprego por até cinco meses após o parto. A demissão só ocorre legalmente se houver justa causa...

Segundo os trabalhadores ouvidos pela Repórter Brasil, todos os dias, ao final da jornada, os encarregados da fazenda vistoriam os pertences de cada trabalhador antes de subir no ônibus que levará a turma de volta para casa...

A pesagem das laranjas colhidas é outro momento de tensão relatado pelos trabalhadores. O pagamento é calculado por bag, que equivale a vinte caixas de laranja. Segundo Daniel e Maria, é comum o “turmeiro” receber as vinte caixas colhidas, mas contabilizar apenas 19 ou 18...

Os trabalhadores também ressaltam que é comum serem obrigados a trabalhar sob chuva forte ou fazer horas extras no sábado para atingir as metas de produção...

A Cutrale já foi alvo de diversas ações movidas pelo MPT...

Story Timeline