abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthC4067174-3DD9-4B9E-AD64-284FDAAE6338@1xinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapeline, chart, up, arrow, graphlocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewArtboard 185profilerefreshIconnewssearchsecurityPathStock downStock steadyStock uptagticktooltiptwitteruniversalityweb
Artigo

13 Jun 2022

Author:
UOL

Brasil: Trabalhador que dormia junto com porcos, foi resgatado da escravidão no Pantanal

“Entre porcos e cobras, trabalhador é resgatado da escravidão no Pantanal”, 13 de Junho de 2022

...Um trabalhador que dormia em um chiqueiro de porcos foi resgatado de condições análogas às de escravo no Pantanal sul-mato-grossense, às margens do rio Paraguai, perto de Corumbá. Nos mais de dois meses que ficou alojado no local, recebeu a visita de jararacas, sucuris e urubus. Só não viu salário.

O caso foi descoberto pela Polícia Civil, que, no curso de outra investigação, o encontrou com sua companheira no final de maio. O proprietário da área, Carlos Augusto de Borges Martins, foi preso em flagrante e, depois, solto sob fiança…

Uma fiscalização da Inspeção do Trabalho e da Polícia Militar Ambiental foi à fazenda. O trabalhador já está em um lugar seguro, mas a negociação com a fiscalização para o pagamento dos direitos continua, uma vez que o empregador não reconhece o vínculo.

Devido ao forte vento e à chuva, a permanência no chiqueiro ficou insuportável com o tempo. Mas, segundo o trabalhador, o proprietário afirmou que eles não poderiam deixar o local por estarem devendo R$ 2 mil referentes à alimentação...

Também não teve acesso a nenhum equipamento de proteção individual. E quando quebrou a sua própria foice que usava no serviço, o fazendeiro a substituiu avisando que o seu preço seria descontado do que ele teria a receber...

Dada a ausência de banheiro, as necessidades fisiológicas eram feitas no mato e o banho, em um local improvisado, usando um balde com a água do rio. A jornada era diariamente das 6h30 às 17h.

Como a fazenda só pode ser alcançada de barco a partir do porto de Corumbá (MS), o trabalhador dependia do patrão para receber comida...