abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthC4067174-3DD9-4B9E-AD64-284FDAAE6338@1xinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapeline, chart, up, arrow, graphlocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewArtboard 185profilerefreshIconnewssearchsecurityPathStock downStock steadyStock uptagticktooltiptwitteruniversalityweb

The content is also available in the following languages: English

História

23 Nov 2020

Brasil: Relatório de ONG alega que instituições financeiras internacionais estão permitindo violações dos direitos dos Povos Indígenas na Amazônia

"Cumplicidade NA Destruição III: COMO CORPORAÇÕES GLOBAIS CONTRIBUEM PARA VIOLAÇÕES DE DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS DA AMAZÔNIA BRASILEIRA", publicado pela Associação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) em parceria com a Amazon Watch, alega que uma rede de instituições financeiras internacionais líderes está ligada a conflitos em terras indígenas, desmatamento ilegal, apropriação de terras, incêndios amazónicos, enfraquecimento das protecções ambientais, e a produção e exportação de mercadorias de conflito através das suas contribuições para nove empresas. Os autores do relatório e uma coligação de aliados brasileiros e internacionais apelam a estas instituições financeiras para que deixem de alimentar este problema e usem a sua influência para serem parte da solução. As recomendações para as instituições financeiras incluem o compromisso de políticas de desflorestação zero e políticas que garantam o respeito pelos direitos indígenas e humanos e que exijam que as empresas façam parte da sua carteira. desenvolver políticas vinculativas que salvaguardem os direitos indígenas, incluindo exigir que as empresas obtenham o Consentimento Livre, Prévio e Informado, eliminem o desmatamento nas suas cadeias de produção e adoptem medidas de transparência relacionadas com os seus fornecedores como critérios para receber financiamento ou investimentos (entre outras recomendações).

O Business & Human Rights Resource Centre convidou as seis instituições financeiras mencionadas no relatório - BlackRock, Citigroup, JPMorgan Chase, Vanguard, Bank of America, e Dimensional Fund Advisors - a responderem a estas alegações, bem como as nove empresas - Anglo America, Belo Sun, Bom Futuro Energia, Cargill, Cosan/Raízen, Eletronorte, Energisa Mato Grosso, Equatorial Energia Maranhão, e Vale.

Anglo American, Belo Sun, Citigroup, Cosan/Raízen, Cargill, Vale e Vanguard responderam. BlackRock, JPMorgan Chase, Bank of America, e Dimensional Fund Advisors não responderam. Os comentários do Potássio do Brasil e da JBS estão incluídos em português num dos artigos abaixo.

Respostas da empresa

Vanguard Ver resposta
Citigroup Ver resposta
BlackRock

Sem resposta

Dimensional Fund Advisors

Sem resposta

Bank of America

Sem resposta

JPMorgan Chase

Sem resposta

Cosan Group Ver resposta
Belo Sun Ver resposta
Anglo American Ver resposta
Cargill Ver resposta
Eletronorte

Sem resposta

Bom Futuro Energía

Sem resposta

Energisa

Sem resposta

Equatorial Energía

Sem resposta

Anglo American Ver resposta

Story Timeline