abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthC4067174-3DD9-4B9E-AD64-284FDAAE6338@1xinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapeline, chart, up, arrow, graphlocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewArtboard 185profilerefreshIconnewssearchsecurityPathStock downStock steadyStock uptagticktooltiptwitteruniversalityweb

O conteúdo também está disponível nos seguintes idiomas: English

História

24 Set 2021

Brasil: Prevent Senior medicou, secretamente, centenas de pacientes idosos de Covid-19 sem seu conhecimento, resultando na morte de, ao menos, nove pessoas, revelam denúncias

Senado Federal

Em abril de 2021, foi instituída a Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid-19 (CPI da Covid) com o intuito de investigar supostas omissões e irregularidades na gestão da pandemia no Brasil por parte do governo federal de Jair Bolsonaro. Recentemente, a CPI recebeu um dossiê preparado por médicos e ex-médicos da operadora de saúde Prevent Senior, contendo denúncias em relação à conduta da empresa no contexto da pandemia de Covid-19.

Segundo o documento, a Prevent Senior, cujo público-alvo são os idosos, teria realizado testes do chamado “kit-covid”, um coquetel composto por medicamentos como hidroxicloroquina e ivermectina, em pacientes contaminados pela Covid-19. Além de tais medicamentos terem ineficácia contra a doença atestada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), os médicos afirmam que os idosos foram medicados sem autorização prévia e sem que tivessem consciência de que estavam recebendo as referidas substâncias. A Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) tampouco autorizou os experimentos. Os relatórios apontam a existência de uma parceria da empresa com o Governo Jair Bolsonaro, por meio de um gabinete paralelo de médicos negacionistas que operava dentro Ministério da Saúde. O presidente da República defende, abertamente, o kit-covid e o chamado “tratamento precoce”.

Os médicos também alegam que eram pressionados a receitar o kit-covid, sofrendo diversas formas de intimidação e ameaças. De acordo com as informações enviadas à CPI, o Grupo Hapvida também adotaria postura semelhante. Prevent Senior e Hapvida teriam, juntos, comprado mais de cinco milhões de caixas de cloroquina e ivermectina. Os profissionais da saúde da Prevent denunciaram, ainda, que eram obrigados a trabalhar mesmo quando testavam positivo para a Covid-19, além de encontrarem dificuldades no acesso a Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

O dossiê demonstra, ademais, que os resultados dos testes realizados nos pacientes foram adulterados para subnotificação do número de óbitos. A Prevent Senior, que chegou a acumular 30% das mortes no Brasil por Covid-19 no início da pandemia, divulgou que apenas duas pessoas teriam falecido após receberem o kit. No entanto, pelo menos nove indivíduos medicados com o coquetel não sobreviveram. Fraudes também teriam ocorrido em atestados de óbito, alterando o CID de vítimas da Covid-19 para outras doenças, como foi o caso da mãe de Luciano Hang, empresário dono das lojas Havan e um dos principais apoiadores de Jair Bolsonaro. As informações destacam, ainda, que os protocolos necessários para esse tipo de pesquisa, como a realização de eletrocardiogramas em todos os participantes, por exemplo, não foram seguidos.

Supostamente sob o slogan nazista “obediência e lealdade”, a Prevent Senior teria, ainda, criado a figura do “personal da morte”, profissional da saúde paliatista cuja função seria de evitar que pacientes em condições de recuperar a saúde fossem cuidados em UTI, em razão do custo elevado do tratamento intensivo. O paciente seria, então, retirado da terapia intensiva e tratado com sedativos fortes e bombas de morfina.

Bel Bechara, filha de um beneficiário de 91 anos de idade da Prevent Senior, concedeu uma entrevista ao jornal Folha de S.Paulo relatando semelhanças entre o atendimento oferecido ao seu pai e as denúncias apresentadas contra a empresa, tais como o oferecimento de cloroquina ao paciente e a insistência no uso de médotos paliativos em detrimento de cuidados intensivos.

Em depoimento à CPI, a advogada que representa os 12 médicos que apresentaram as denúncias contra a Prevent Senior revelou que, entre 2015 e 2017, os funcionários da operadora eram obrigados a, até mesmo, cantar, com a mão no peito, o "Hino dos Guardiões" da empresa.

O CIEDH convidou a Prevent Senior e o Grupo Hapvida a comentarem o dossiê, mas apenas o Grupo Hapvida respondeu.

Respostas da empresa

Prevent Senior Private Operadora de Saúde LTDA

Sem resposta

Grupo Hapvida Ver resposta

Linha do tempo