Você será redirecionado/a para a história na qual essa parte de conteúdo se encontra, para que você possa lê-la dentro do contexto. Por favor, clique no link seguinte se não for direcionado/a automaticamente dentro de alguns segundos:
pt/brasil-reportagens-alegam-que-durante-a-pandemia-entregadoresas-de-aplicativo-trabalham-mais-ganham-menos-e-não-recebem-apoio-das-empresas-para-evitar-o-contágio-durante-o-trabalho#c208857

Resposta do Ifood

Autor: Ifood, Publicado em: 19 May 2020

... O iFood reforça que não houve redução no valor total das entregas de alimentos durante a pandemia, o que significa que a afirmação de que "os entregadores estão trabalhando pelo menos a mesma quantidade de horas e ganhando muito menos" não é aplicável a correios que usam a plataforma iFood.
O valor médio pago por rota de entrega de alimentos é de R $ 8, calculado com base em fatores como a distância percorrida, a cidade e o dia da semana. Todos os entregadores ficam sabendo do valor por rota antes de optar por aceitar ou declinar a entrega ofertada. Embora a demanda tenha aumentado durante o período de pandemia, a empresa tem colocado grande parte da receita em iniciativas de proteção do ecossistema de food delivery (entregador, restaurantes e cliente). Até o momento, a empresa já destinou mais de R$ 14 milhões em medidas de proteção aos entregadores. Medidas estas que, de acordo com a pesquisa Locomotiva, tiveram nota média de 8,9, melhor avaliação entre as do setor que operam no Brasil, de acordo com a pesquisa nacional da Locomotiva no final de abril...

Baixe o documento inteiro aqui

Aqui uma resposta das seguintes empresas: Ifood (part of Movile)