abusesaffiliationarrow-downarrow-leftarrow-rightarrow-upattack-typeburgerchevron-downchevron-leftchevron-rightchevron-upClock iconclosedeletedevelopment-povertydiscriminationdollardownloademailenvironmentexternal-linkfacebookfiltergenderglobegroupshealthinformation-outlineinformationinstagraminvestment-trade-globalisationissueslabourlanguagesShapeCombined Shapelocationmap-pinminusnewsorganisationotheroverviewpluspreviewprofilerefreshnewssearchsecurityPathtagticktooltiptwitteruniversalityweb
História

Brasil: Famílias são despejadas do quilombo Campo Grande (MG) em plena pandemia

Isabelle Medeiros/ Mídia NINJA

Ação de reintegração de posse resultou em tensão e feridos em no quilombo Campo Grande, em Campo do Meio (MG).

O acampamento Quilombo Campo Grande foi formado há 22 anos no local da falida usina de açúcar Ariadnópolis, que ainda tem como pendência inúmeros casos de direitos trabalhistas não pagos.

Os acampados resistiram por 56 horas a uma ordem de reintegração de posse de um terreno de 52 hectares. Seis famílias foram despejadas pelos policiais que usaram bombas de efeito moral para desmobilizar os trabalhadores rurais.

O território é ocupado pelo MST há 22 anos. São 450 famílias agricultoras acampadas no terreno, com 40 hectares de hortas, 60 mil árvores nativas e 60 mil árvores frutíferas, o acampamento produz anualmente 510 toneladas de café sem o uso de agrotóxicos, além da produção de oito toneladas de mel, bem como produz cereais, hortaliças, frutas, fitoterápicos, leite e derivados.

Story timeline