BHP Billiton & Vale lawsuit (re dam collapse in Brazil)

Brazil dams disaster_credit_Antonio Cruz Agencia Brasil_http://agenciabrasil.ebc.com.br/en/geral/noticia/2015-11/another-body-engulfed-mud-found-minas-gerais

On 5 November 2015, two mining dams operated by Samarco Mineração SA, a joint venture of Vale and BHP Billiton, collapsed in Brazil releasing 50 million cubic meters of toxic iron-ore residue.  The residue destroyed the nearby town of Bento Rodrigues killing 19 and polluting the water supply of hundreds of thousands of residents.  Two weeks later, Samarco signed a $262 million agreement with the Brazilian Government to fund mitigation and remedial measures for the environmental disaster. 

On 2 March 2016, Samarco reached a heavily criticized $6 billion settlement to restore the severely damaged environment and indemnify the affected communities.  Andrew Mackenzie, CEO Of BHP Billiton stated, “This agreement is an important step in supporting the long-term recovery of the affected communities and the environment.”  However, Brazilian prosecutors insisted the deal did not guarantee proper cleanup and damages because the affected populations were not included in settlement talks.  On 3 May 2016, the prosecutors filed a $44 billion civil lawsuit in Brazil for cleanup and restoration costs.  On 16 March 2017, a judge suspended the lawsuit to facilitate the negotiations of a settlement between the government and the companies.  The partial agreement also calls for groups of experts to carry out environmental and social impact studies, and evaluate recovery programs.  Since then, the negotiation period has been extended several times.  On 20 April 2018, the 12th Federal court in Brazil postponed the deadline for presenting a compensation plan for victims of the Samacro mine disaster to 25 June 2018.  On 25 June 2018, Vale and BHP Billiton announced they signed a deal with Brazilian authorities that settles a USD 5.3 billion lawsuit related to the 2015 dam collapse.  The agreement also sets a two-year timeline to reach a settlement in a separate lawsuit filed in May 2016 which will be put on hold while the parties negotiate.

On 20 October 2016, Brazilian federal prosecutors filed homicide charges against 21 people, including top executives of BHP Billiton, Vale and Samarco, for the 19 deaths resulting from the dam collapse. In July 2017, the federal court suspended the criminal case.  Samarco's lawyers claim illicit evidence was used to build the case against the company's executives.

In May 2018, shareholders filed a lawsuit against BHP Billiton in Australia, alleging that the company misled them as it was aware of the safety risks prior to the disaster, but failed to take any action to prevent it.  In August 2018, the company settled a similar lawsuit filed by US shareholders, agreeing to a $67 mln. compensation without admitting liability.

Get RSS feed of these results

All components of this story

Article
3 October 2018

Brazil: Prosecutors say final compensation deal with Vale & BHP Billiton reached re 2015 dam collapse

Author: Reuters

Brazilian prosecutors in Minas Gerais state said...they reached a final compensation deal with mining companies Samarco, Vale...and BHP Billiton regarding a 2015 dam burst, Brazil’s largest ever environmental disaster. According to a statement from prosecutors...the deal allows for compensation payments to start to relatives of the 19 people killed in the disaster, as well as to people who lost their houses and other properties. No financial details of the deal were disclosed in the short statement on Tuesday, but the chief prosecutor in the city of Mariana will hold a press conference on Wednesday to discuss the agreement. Brazil’s worst environmental catastrophe happened when a dam designed to hold back mine waste from the Samarco iron pellets operation in Mariana burst, leaving a trail of destruction for hundreds of kilometers in Minas Gerais and Espírito Santo states. Another deal had been reached by the mining companies and prosecutors in regions hit by the disaster away from Mariana, where victims found that offer insufficient. With this last settlement, companies might be able to prepare to resume operations in the region more than two years after the accident

 

Read the full post here

Article
20 September 2018

BHP seeks approval for $50m US pact over fatal Brazil dam burst

Author: Reuters

BHP Billiton Ltd has asked a U.S. judge to approve a $50 million settlement of claims that it fraudulently inflated its share price by overstating its ability to manage safety risks before a fatal 2015 dam burst at a Brazilian mine...It would resolve shareholder claims stemming from the Nov. 5, 2015 bursting of the Fundão dam in Minas Gerais...at a mine run by Samarco, a joint venture between BHP and Brazil’s Vale SA...BHP denied wrongdoing in settling with investors...

Read the full post here

Article
+ Português - Hide

Author: Movimento dos Atingidos por Barragens-MAB (Brazil)

"Nota Pública: Juiz do caso Samarco – espetáculos, manobras e violação de direitos civis e políticos", 10 de agosto de 2018
...[Em 8 de agosto]...a Justiça e empresas...Samarco/Vale/BHP realizaram...verdadeiro espetáculo ao qual foi dado o nome Sessão Solene de Conciliação, no Prédio da Justiça Federal, em Belo Horizonte. Com a participação dos advogados das empresas, órgãos públicos federais e dos estados do Espírito Santo e Minas Gerais, a "conciliação" de mais um documento jurídico orientador da reparação dos danos causados com rompimento da Barragem de Fundão foi firmada sem a participação dos atingidos...Na ocasião, o juiz titular da 12ª Vara Federal de Minas Gerais Mário de Paula Franco Júnior homologou o TAC Governança, que define alterações na governança da Renova justamente com a intenção de garantir a participação dos atingidos nos processos decisórios. O Movimento dos Atingidos por Barragens-MAB já publicou em nota as críticas ao documento...Ainda na sessão, o mesmo juiz apresentou, sem qualquer anuncio anterior, suas ressalvas para o Termo Aditivo ao TAP,...debatido amplamente e construído em conjunto com a população da Bacia do Rio Doce. Tal termo dispõe sobre o diagnóstico do meio socioeconômico e a contratação das Assessorias Técnicas, maior vitória conquistada pelos atingidos do crime da Samarco/Vale/BHP...O juiz entendeu que vários critérios do Termo Aditivo, principalmente no aspecto da Assessoria Técnica, eram insuficientes para a "condução do processo"...[N]ovos pontos determinam que "fica expressamente vedada" a vinculação político-partidária, à movimentos sociais, ong e entidades religiosas no processo de escolha das entidades que devem prestar a Assessoria Técnica...[T]ais ressalvas se tratam de uma restrição, que pode ser entendida como uma restrição aos direitos civis e políticos dos envolvidos no processo, inclusive dos atingidos. Estes requisitos só foram colocados pelo Juiz para as Assessorias Técnicas, que servem diretamente aos interesses dos atingidos. Caso esta mesma regra fosse aplicada a todos os envolvidos na reparação dos danos causados pelo Crime, seria inviabilizada a participação de muitas das entidades e técnicos que atuam nas empresas, na Fundação e as consultorias inclusive o Presidente do Conselho Curador da RENOVA Wilson Brumer (mais alto posto da Fundação) que é conhecidamente envolvido com atividades político-eleitorais e partidárias...

Read the full post here

Article
14 August 2018

BHP says Samarco dam disaster settlement agreement approved by Brazilian court

Author: Reuters

"BHP says Samarco settlement approved", 10 August 2018

...BHP says a federal court in the Brazilian state of Minas Gerais approved an agreement between miner Samarco and Brazil authorities, marking a milestone in the legal battle over a deadly 2015 dam failure.

A 20 billion reals ($US5.3 billion, $A7.2 billion) lawsuit against Samarco, which is a joint venture of BHP and Vale SA, was quashed by the accord, which was signed in June. An even more expansive lawsuit was also suspended under the agreement.

The company said it had separately agreed to pay $US50 million as part of a settlement for a class-action complaint filed by American depositary receipt (ADR) holders over the disaster...

Samarco told Reuters in a statement...that next year it expects to obtain licenses needed to resume operations.

...BHP still faces a class action in Australia over the dam's failure.

Read the full post here

Article
10 August 2018

BHP Billiton settles US investors' lawsuit over Samarco dam disaster for $67 mln. without admitting liability

Author: Darren Gray, Sydney Morning Herald (Australia)

"BHP settles US class action over Samarco dam failure for $67 million", 9 Aug 2018

Mining giant BHP has agreed to settle a US class action claim relating to the Samarco dam failure of 2015, which triggered Brazil's worst environmental disaster, and agreed to pay the plaintiffs $US50 million ($67.3 million).  The agreement comes with no admission of liability.  It remains subject to approval by a US court.  Melbourne-based lawyers acting for BHP investors in an Australian class action against the miner over the dam failure are watching the US legal developments with interest...The Australian class action alleges BHP...engaged in misleading and deceptive conduct...But BHP signalled...that it would fight the Australian class action vigorously...

Read the full post here

Article
23 July 2018

Brazil dam disaster: BHP Billiton faces lawsuit in Australia

Author: BBC News

Mining giant BHP Billiton says it will defend itself against a class action lawsuit in Australia over Brazil's 2015 dam disaster...More than 3,000 investors have signed up to the lawsuit, lodged in the Federal Court of Australia in May.  The claim alleges that BHP failed to disclose the risk of the dam's failure to the stock market, and misled investors over the company's safety guarantees...BHP is also facing a US shareholder class action over the disaster, as well as ongoing criminal and civil cases in Brazil...

Read the full post here

Company response
16 July 2018

Vale response

Author: Vale (Brazil)

[Please note Vale had already provided a response to Dirty Profits report 2018 in September 2017 and asked the Business & Human Rights Resource Centre to use it also here]
"Vale Response to 'Letter from Facing Finance regarding the Dirty Profits report 2018', 15 September 2017
...Dear Mrs. Lesley Burdock, Vale strongly disagrees with the content of the Dirty Profits Reports 2012 and 2013. The reports don't portray Vale´s Human Rights and Sustainability policies...La Morada, Peru Vale concluded...the process of devolution of this area to the Government of Peru...Moatize Mine, Mozambique...Vale is in compliance with the Resettlement Plan...agreed with, and approved by the Mozambican Authorities...Vale develops actions that not only guarantee livelihoods, but also actions that improve the quality of life of these populations... Rio Colorado Mine, Argentina...the company undertook a series of assessments for the final location of the Salt Storage Facility...Carajás Railroad, Brazil Vale seeks to maintain a respectful relationship and carry out actions that avoid, mitigate or compensate possible impacts of its operations on these populations... Samarco Mineração, Fundão Dam, Brazil Vale has responded to the emergency and continues to monitor and support all human rights remedy processes and environmental recovery of the Samarco accident...[T]he Samarco accident was a terrible, dramatic and unprecedented event in 73 years of Vale's existence...[F]rom the first day...[,]...Vale and its employees have been committed with the emergency response and...with the human rights remediation and environmental recovery...[T]he shareholders of Samarco, BHP Billiton and Vale...[,]...immediately launched a series of social, environmental and economic remediation and mitigation actions. An agreement with federal and state authorities was established...: Reparation ...[;]...Environmental compensation...[;]...Creation of the Renova Foundation to manage the socioenvironmental and socio economic programs...[;]...Implementation deadline of 15 years, renewable until all the programs have been implemented...[;]...Establishment of advisory committees with the participation of technical specialists, regulators and representatives of the communities...[;]...R$ 4.4 bi in the first three years (2016-2018) to guarantee the progress of the reparation and compensation actions...[;]...R$ 0.8-1.6 bi per year from 2019 to 2021...[;]...R$ 240 million per year over 15 years...[;]...Additional payment of 500 million to fund sanitation initiatives from 2016 to 2018...[V]ale...will continue to support Samarco in all that is necessary to minimize victims' pain and environmental damage...[and]... repudiates any and all forms of disrespect for human rights... Mina do Pico, Brazil...Because of alleged irregular outsourcing, as well as the submission of workers to the condition analogous to slavery, the ministry filed infringement proceedings against Vale. These tax assessments were all challenged by Vale. The classification of these irregularities as "labour analogous to slavery" is not appropriate...Onça Puma Nickel mine, Brazil Vale clarifies that..[it]...is regularly licensed...

Download the full document here

Article
+ Português - Hide

Author: Raquel Freitas, G1 MG (Brazil)

"Documento, assinado por mineradoras e órgãos públicos, prevê que moradores passem a integrar estruturas de comitê que valida ações de reparação e de fundação que gere programas sociais e ambientais. Para entidade, participação ainda é insuficiente-'Acordo foi feito sem a participação dos atingidos', diz MAB em relação a termo sobre desastre de Mariana | Desastre Ambiental em Mariana", 28 de junho de 2018
...Com o acordo, será praticamente extinta a ação no valor de R$ 20 bilhões, que deu origem ao acordo inicial que criou o Comitê Interfederativo (CIF), órgão que orienta e valida ações para reparação dos danos, e a Renova, fundação que atua na gestão dos programas e projetos. Já a ação movida pelo Ministério Público Federal (MPF), no valor de R$ 155 bilhões, ficará suspensa, pelo menos, por até dois anos. "Agora as garantias são em torno de R$ 2 bilhões. É muito pouco. Então, mais uma vez as empresas saem ganhando neste sentido", disse Alves. O acordo ainda precisa ser aprovado pela Justiça...No novo acordo, ainda consta a contratação de assessorias técnicas para auxiliar comissões de moradores – também previstas no TAC. O integrante do MAB defende que essas assessorias deveriam ter começado a atuar antes do fechamento do termo, para que os moradores já tivessem melhores condições de opinar sobre ele...O promotor André Sperling Prado, do Ministério Público de Minas Gerais, disse que a crítica do movimento é válida...O procurador José Adércio Leite Sampaio, coordenador da força-tarefa do MPF, também reconheceu a crítica feita pelo MAB...A Samarco disse que o documento reafirmou o compromisso da empresa com as comunidades e locais impactados pelo rompimento de Fundão. A Renova afirmou que "o envolvimento dos atingidos, das organizações civis, da academia, do poder público e dos especialistas é um pilar central na forma de a Fundação Renova encontrar e implementar as soluções que integram os 42 programas de sua plataforma". Para o presidente da fundação, Roberto Waack, o poder de voto dos atingidos é um "avanço". Já a Vale infirmou que o "acordo representa um passo importante para a solução dos desafios resultantes do rompimento da barragem de Fundão, sobretudo por incrementar as bases de participação das pessoas atingidas nas instâncias de governança da Fundação Renova"...

Read the full post here

Article
+ Português - Hide

Author: Movimento dos Atingidos e Atingidas por Barragens-MAB (Brazil)

"Em novo acordo sobre o crime em Mariana, empresas criminosas seguem mandando", 27 de junho de 2018

Mais um acordo foi firmado sem a participação dos atingidos pelo crime da Samarco/Vale/BHP. Contraditoriamente, o termo de ajustamento de conduta (TAC) conduzido pelo MPF em face da Ação Civil Pública movida por ele, busca justamente garantir a participação dos atingidos. Isso deve se dar a partir de mudanças na governança da Fundação Renova, responsável pela reparação integral dos danos do rompimento da barragem de rejeitos em Mariana...[E]ntendemos que essa discussão da construção de uma governança advém de conceitos internacionais como a ideia de "multistakeholder", na qual as empresas são consideradas como parte de um processo de gestão democrática do espaço público...[N]ão acreditamos que o avanço democrático na construção de uma sociedade mais justa e igualitária, com efetivação dos direitos humanos, passe pela participação ativa desses atores que não estão submetidos a nenhum mecanismo de participação popular, de transparência, ou elegibilidade pela sociedade, portanto, não podem participar do processo decisório...O maior crime socioambiental da história do país, o rompimento da barragem do Fundão e conseqüente destruição de toda a bacia do Rio Doce, são a prova do descomprometimento dessas empresas, sobretudo transnacionais, com a sociedade brasileira...[A]...reparação integral só será efetivada quando as vítimas se reconhecerem e forem reconhecidas como protagonistas da recuperação do Rio, e em nenhum momento as comunidades colocaram a necessidade de criar uma governança, e sim pediram a imediata implementação da assessoria técnica para equalizar a assimetria de poderes no processo indenizatório. A governança foi imposta às comunidades, por cabeças que nunca pisaram ao longo da bacia, construída e firmada em escritórios longe das necessidades das comunidades, e em descompasso com suas necessidades. Nosso posicionamento não é novo...[A]valiamos que, em relação às primeiras propostas feitas para a governança, o texto tenha avançado muito para a participação, temos uma posição crítica a ele: 1- Os criminosos devem ser afastados de suas vítimas...2- A participação é um direito dos atingidos e que não garanti-la, ou fingir que ela está garantida, viola ainda mais direitos...3- Só é possível discutir a participação de atingidos no processo de reparação a partir da própria visão dos atingidos...4- A reparação dos danos causados pelo crime da Samarco/Vale/BHP deve de fato devolver à sociedade atingida o que lhes foi tirado, com garantia total de seus direitos...5- É preciso que os criminosos paguem pelo que fizeram, e a reparação do crime tem custos financeiros...[A]s empresas...se aproveitam da negociação do TAC Governança pra tentar legitimar a Fundação Renova e suas ações, inserindo a participação minoritária dos atingidos em algumas instâncias decisórias...[A]...coerção e a cooptação, formas de incidência já muito utilizada pelas empresas criminosas, devem ser ainda mais fortes nos territórios, na Bacia e em outras esferas de poder...

Read the full post here

Article
+ Português - Hide

Author: Conectas Direitos Humanos (Brazil)

“Documento formulado pelo governo, Ministério Público, Defensoria Pública e empresas não é suficiente para atender demandas da sociedade civil e de comunidades atingidas” 28 de junho de 2018

Na...segunda-feira, 25/6, foi firmado um Termo de Ajustamento de Conduta entre órgãos da União, dos Estados de Minas Gerais e do Espírito Santo, Ministério Público, Defensoria Pública e as empresas Samarco, BHP e Vale, com o objetivo de estabelecer mecanismos de participação das pessoas atingidas pelo desastre do Rio Doce, ocorrido em novembro de 2015. As comunidades atingidas não foram consultadas para a formulação do documento...[A]...Conectas e...[a]...Clínica de Direitos Humanos da UFMG...[enviaram]...apelo urgente...aos Procedimentos Especiais da ONU...[U]ma das críticas...é a adoção de uma divisão territorial que...pode não respeitar as dinâmicas culturais e sociais de cada comunidade, violando os seus direitos de auto-organização e autonomia.“...[E]ntendemos que a participação das pessoas atingidas deveria ter ocorrido desde o início da elaboração desse mecanismo...[E]ste acordo, assim como os anteriores, foi firmado sem a participação efetiva das comunidades atingidas...”, comenta Juana Kweitel, diretora-executiva da Conectas...A participação...deveria ser paritária, para que as pessoas atingidas tivessem a oportunidade de determinar como serão as medidas de reparação que serão adotadas...[A]inda é cedo para avaliar o impacto das medidas em relação aos direitos das comunidades atingidas. “...[A]...criação de um mecanismo de participação direta é um passo fundamental para a realização dos direitos das pessoas atingidas...”, complementa Juana.

Read the full post here